Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  sáb,   20/julho/2019     
artigos

A terra onde político ganha mesmo quando perde

15/02/2019 08:41:25
Gessi Taborda
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    

 



Clique para ampliar

DR ALDRIN

Esta semana o meu amado filho Aldrin Willy Mesquita Taborda entrou na lista dos aprovados no exame de ordem da OAB-RO. Estou vivendo aquela sensação de que mais uma vez Deus me honrou. Aliás, na minha vida, o Poderoso não tem falhado! Nunca me deixou só, especialmente nos momentos mais difíceis e de maior angústia. A vitória do Aldrin – agora advogado – é fruto, claro, de sua dedicação. Para mim é mais uma benção divina!

Essa pode ser a sua melhor vitória na caminhada de sua formação cultural e profissional até aqui. Mas ela começou quando esse filho querido conseguiu sua primeira formação acadêmica em jornalismo, na FARO. Tendo focado sua vida em objetivos de crescimento cultural, Aldrin conseguiu seu segundo bacharelado em ciências da computação, pela Unir, onde também se tornou bacharel em Direito.

A FÓRMULA

Certamente não foi o incentivo que recebeu desse seu velho pai e da sua mãe, a minha querida dra Conceição Mesquita, o responsável pela sua mais nova vitória e pelo seu crescimento intelectual.

Aldrin aprendeu – como seu irmão Roger Lafontaine, a caminho da formação em medicina – a vencer o seu próprio eu, a não desistir, a persistir. É o que ele fez. O que faz agora seu irmão Roger: estudar e estudar, aceitando a necessária dose de sacrifício.

Agora a vitória foi do Aldrin e brevemente será do mui amado Roger Lafontaine Mesquita Taborda. No esforço deles nós, os pais, vamos também sendo gratificados e vitoriosos. Obrigado meus filhos por orgulhar tanto esse pai agora está na categoria dos “velhos jornalistas”.

DETRAN

Os deputados dessa nova legislatura pretendem fazer um grande rebuliço com a primeira CPI da Casa, voltada para investigar graves suspeitas no Detran rondoniense. Será, salvo uma circunstância imprevisível, apenas mais uma Comissão Parlamentar de Inquérito criada no parlamento rondoniense que terminará em frustração!

Não é pela falta de suspeitas e denúncias que essa CPI deixará de avançar profundamente. Não é de agora que sérios indícios de corrupção naquela autarquia alcançaram o noticiário da mídia, mas como é praxe, tudo sempre acabou em pizza.

VESPEIRO

As denúncias daquela autarquia sempre comandada como feudo de algum clã político foram muito mais sérias do que meras suspeitas de abuso de pagamentos de diárias para servidores mais chegados da direção ou até mesmo a cobrança de taxas absurdas.

Essas denúncias motivam agora a CPI que a Assembleia Legislativa promete abrir já no princípio da nova legislatura. Ora, isso é apenas a ponta do iceberg.

Uma investigação capaz de mexer pedra sobre pedra no Detran rondoniense (uma verdadeira mina de arrecadação de dinheiro) poderia colocar em palpos de aranha até políticos apeados pelo eleitor nas eleições passadas. Agora mesmo surge outra especulação melindrosa: o monopólio de placas de veículos. Alguém terá coragem de mexer nesse vespeiro!

HOLOFOTES

CPI mesmo quando desenvolvida de forma séria não pune ninguém. No caso de Rondônia elas nem chegam a produzir um relatório de qualidade, mas serve de holofotes para alguns membros fazer politicagem. O circo começa com a tradicional manobra de usar a CPI para promover as manjadas audiências públicas, como virou praxe naquela Casa, especialmente na legislatura anterior.

CAMINHO DO DINHEIRO

Se essa Comissão Parlamentar de Inquérito fosse utilizada para acessar os dados sobre o imenso volume das arrecadações do Detran e a destinação desses recursos certamente iria revelar informações verdadeiras sobre quem ficou rico e usou o esquema do órgão para fazer a política rasteira eleitoral, perpetuando-se no cargo.

Como a CPI não tem força para passar da produção de um relatório, ela só se justificaria se conseguisse abrir os dados do Detran dos últimos anos, revelando segredos da caixa preta do órgão.

PERFIL

Hildon Chaves está fazendo mudanças em seu time de primeiro escalão. O prefeito procura recuperar forças políticas, escapando do natural desgaste de dois anos de gestão, quando recebeu como herança um município caótico em todos os sentidos.

Hildon foi eleito pela primeira vez por ter um perfil símbolo da ruptura com o modo de fazer política do establishment que por anos dominou o poder municipal. Principalmente com os métodos utilizados por mais de uma década pela esquerda derrotada por ele.

Seu compromisso era varrer a sujeira da corrupção do tempo petralha, limpar, modernizar e racionalizar a administração. Ele assumiu o compromisso de que ia ser diferente dos prefeitos antigos. E a seu modo ele está conseguindo avançar nesse sentido.

REFORÇO

Agora ele agrega ao seu staff dois ex-deputados derrotados nas eleições passadas. O prefeito, pelo visto, bota fé nesses novos personagens. Deve acreditar que a chegada desses dois novos integrantes do primeiro escalão está associada à capacidade de inovação e eficiência da gestão!

ATÉ NA DERROTA

A política em Rondônia não é assunto de amadores. Aqui virou praxe político ganhar mesmo quando perde o mandato nas urnas.

Quando alguém imagina que o político apeado pelo eleitor vai inevitavelmente voltar à sua vida comum, acaba vendo as manobras do derrotado dando certo na manutenção de suas ambições.

Sempre há algum dirigente público disposto a jogar-lhe uma boia, livrando-o da sentença popular e de sua consequente deriva.

Esse é um caso muito específico do político Lindomar Garçom. Caído num descrédito enorme, evidenciado ainda mais com seu bizarro perfil de papagaio de pirata enquanto estava na Câmara dos Deputados, Lindomar Garçom foi apeado da vida pública mas pensa em poder voltar, graças a mais uma boia em que se agarrou.

DE ROMPANTE

Mas o deputado que entrou na vida pública de rompante no município de Candeias, onde foi vereador da primeira legislatura, não perdeu suas esperanças de mais uma vez convencer figuraças da política, garantindo um cargo de relevância para uma volta com bastante antecipação às urnas.

Ele é um desses que sempre ganham. Foi assim no período em que Ivo Cassol dava as cartas e será assim sempre, seja quem for o mandatário. Apenas encena um vídeo-tape do que se viu até na Assembleia, onde deputados apeados da vida pública sempre conseguiram a sua boquinha em gabinetes de “amigos”.

BOTANDO FÉ

Acompanhei de perto, como jornalista, todos os prefeitos da capital rondoniense a partir do momento da emancipação do Estado. Tenho certeza absoluta que no momento certo Hildon Chaves estará ofertando o milagre que tanto emoldurou em seus discursos de campanha! Ele, embora o adversários digam o contrário, esta sendo o melhor prefeito da cidade, desde os tempos do alcaides nomeados.

Se como candidato Hildon rasgou o roteiro tradicional da disputa e tornou-se uma espécie de anti-herói que mexeu com a sensibilidade daqueles que (como eu) já estavam cansados do batido discurso dos políticos tradicionais, certamente voltará a falar o que o povo gosta e quer ouvir. Ainda boto fé que Hildon Chaves continua sendo o melhor garantidor do bom futuro para o município de Porto Velho.




Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: