Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  sáb,   25/novembro/2017     
artigos

Prefeito anuncia reversão do caos da Saúde da capital

28/10/2017 02:59:16
Gessi Taborda
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    

 



Clique para ampliar

FILOSOFANDO

Há sempre alguém que resiste, há sempre alguém que diz não! GESSI TABORDA (1951), jornalista a quase cinco décadas, criador da coluna Em Linhas Gerais. Hoje aposentado.

 

LÚGUBRE

Paga com o dinheiro do povo, uma nova companha de publicidade está sendo veiculada na mídia impressa de Rondônia, usando o viés das comemorações do próximo Dia de Finados. É mais uma daquelas criações bizarras da agência que por anos vem sendo mantida no comando da verba milionária que a Casa vai torrando impunemente.

 

INDECÊNCIA

Dessa vez a publicidade (??) explora o sofrimento de quem foi vítima perdendo algum ente querido para a violência com a subliminar mensagem de que “os deputados de Rondônia” criaram uma lei para indenizar, pagar os custos do enterro e até garantir uma pensão saída dos cofres do Estado a quem entrou no luto pela criminalidade cada vez maior verificada no estado. Ué, não é vedado a deputados aprovarem leis que geram custos ao Executivo?

 

ENXERGAR

Não se sabe que o MP vai continuar de olhos fechados para essa gastança do dinheiro público levada ao apogeu da desfaçatez pela “agência de publicidade”. Por si só, essa campanha custeada com a verba dos cofres da Assembleia é uma indecência, uma indignidade, uma insolência contra o dinheiro do cidadão. Alguma autoridade ainda digna desse nome precisa tomar providências contra a gestão que age sempre como sócia e cumplice nessa incompetência que mais parece uma roubalheira dos recursos arrancados do contribuinte.

 

PRESSIONADOS

Com o fechamento do centenário jornal Alto Madeira, ficamos (por enquanto) sem espaço para publicar a coluna na mídia impressa. Ela – como uma parte da mídia on-line – não está imune às teias do clientelismo patrocinado com o dinheiro público pelas instituições políticas e de governo.

 

AMESTRADOS

E para não perder o faturamento consolidado na copiosa distribuição das verbas públicas preferem não publicar quem escreve sem constrangimentos ideológicos e sem e desencostado do Estado. Muitos sites ditos jornalísticos deixaram de veicular a coluna por cortesia a seus “patrocinadores” públicos que nunca tiveram grandeza de espírito para reconhecer a justeza das críticas mais virulentas.

 

NA INTERNET

E assim, com essa explicação, informamos que estamos abertos ao licenciamento da publicação de ELG em novos sites e portais, bem como títulos da mídia impressa, para facilitar o acesso aos nossos leitores. Enquanto isso não acontece, os leitores têm à sua disposição de acesso, sites como imprensapopular.com, quenoticias.com.br, rondonoticias.com.br, ocombatente.com, folharondoniense.com.br além da página de Gessi Taborda ou da Informação Sem Censura, no Facebook.

 

LICENCIAMENTOS

Graças a todas essas pressões os leitores poderão conferir nos endereços citados que o autor está ainda em melhores condições de continuar defendendo as causas que valem a pena para a sociedade. Continuo sendo um liberal convicto e confesso que não será calado tão facilmente pela artimanha do estado centralista, tentacular e onipresente no seu esforço de calar quem tem coragem de dele discordar.

 

RETALIAÇÃO

Ontem a notícia era de que Michel Temer iniciou a retaliação contra deputados que votaram contra ele, para arquivar a denúncia da PGR, onde o presidente (meu Deus!) é acusado de chefe quadrilha. Quem não seguiu como capacho do presidente do PMDB vai – segundo afirmaram – perder cargos ocupados no governo federal por suas indicações. É muito própria essa tática fora da ética republicana para um presidente que está na liderança mundial dos mais impopulares do mundo.

 

14 MESES

É claro que aqueles deputados que ficaram ao lado do presidente chamado de ladrão nas denúncias da PGR vão procurar extrair o máximo do governo nos últimos 14 meses que ainda resta a Temer. Só se darão conta da enorme besteira que fizeram quando os eleitores negar outro mandato aos negocistas que blindaram Michel Temer e seus ministros. Os “retaliados” de hoje têm a oportunidade de escapar da fúria do eleitorado que certamente vai pesar no lombo de quem votou a favor desse governo enterrado até o pescoço no lamaçal dos escândalos.

 

TRUQUE DE MADAME

O presidente que nunca ganhou uma eleição após escapar (a um custo enorme) com o apoio inclusive da maior parte dos deputados de Rondônia da continuidade das investigações das denúncias da PGR tascou num pronunciamento que “A verdade venceu!”. Quem acredita nisso? Ora, tudo não passa de truque de madame. E disse mais: "A reforma que será aprovada, é a que está no projeto inicial, sem qualquer concessão"; "Vamos  aprovar a indispensável Reforma da  Previdência".

Para quem acompanha de perto a política de Brasília, isso não tem a menor possibilidade de acontecer, ainda mais se o Planalto levar avante a retaliação aos que votaram contra Temer.

 

REVERSÃO

Uma nota da prefeitura de Porto Velho, divulgada ontem, afirmou que agora há um horizonte alvissareiro para o setor da saúde pública municipal. Segundo a afirmação do alcaide “a herança deixada pela administração passada foi um quadro dantesco: uma saúde com suas unidades básicas praticamente sem medicamentos, sem processos para aquisição, com apenas três ambulâncias funcionando e um descontrole administrativo em alta escala, que abria ralos e provocava a sangria de recursos públicos em vários pontos”. Diante desse descalabro, espera-se que alguém seja legalmente responsabilizado e punido por isso. Afinal não se pode simplesmente passar a borracha nessa realidade criminosa.

 

E ELE ERA MÉDICO

De acordo com a explicação da prefeitura de Porto Velho distribuída à imprensa no dia onde, na gestão anterior (e o ex-prefeito é médico) a estrutura contava com 51 médicos em apenas 13 consultórios. A produção era de 3,8 mil consultas por mês, a um custo que ia de R$ 300 a R$ 600 por consulta. A média diária de consulta por profissional era de 2,4 pacientes; número que ‘quebraria’ qualquer consultório médico privado.




Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: