Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  qui,   23/novembro/2017     
reportagem

Medalhista olímpico denuncia golpe na Secretaria de Esportes de quase R$ 150 mil

15/09/2012 04:39
 
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    



Totó registrou boletim de ocorrência e foi ao MP para denunciar uso fraudulento de seu nome para lesar o município, num golpe que pode ter custado aos contribuintes mais de R$ 150 mil. 



Clique para ampliar
João Fernando Martins do Nascimento Júnior, popularmente conhecido como “Totó”, é um prodígio rondoniense. Mesa-tenista exímio, já conquistou as mais importantes premiações dentro e fora do Brasil. Entre os títulos, Totó carrega no peito uma medalha de ouro, conquistada nos Jogos Pan-americanos de Guadalajara (México), realizados ano passado, em sua edição para-olímpica. É, enfim, um jovem que ajuda a elevar um pouco mais a autoestima do povo deste estado perante o mundo.

Ocorre que aqui nestas paragens, nem mesmo um personagem vitorioso e reconhecido como Totó está a salvo das maracutaias feitas para subtrair dinheiro público. Foi o próprio esportista que denunciou o suposto esquema montado junto à Secretaria Municipal de Esportes da capital, para desviar quase R$ 150 mil, usando seu nome fraudulentamente.

Como em quase toda falcatrua, os ingredientes deste caso também são pra lá de curiosos. Mas, nem por isso capaz de causar menos indignação, como em todo caso de corrupção.

De acordo com a denúncia, lavrada na 3ª Delegacia de Polícia sob o nº 12E1003007468, o suposto esquema envolveria duas entidades desportivas, a União Civil Amazônica de Tênis de Mesa e a Federação Rondoniense de Tênis de Mesa, mais a Secretaria Municipal de Esportes, responsável pelo repasse das verbas.

A denúncia também foi apresentada ao Ministério Público, em audiência realizada com o promotor de justiça Alzir Marques Cavalcante Júnior, titular da 5ª Promotoria de Justiça de Porto Velho, com os esportistas Totó, Ian Marques, Naderlan Pereira e Jeferson Cordeiro.

Na ocasião, os denunciantes relataram que a constituição da União Civil Amazônica de Tênis de Mesa foi feita mediante fraude, pois incluiu os nomes de Willians de Paula Pereira, Ian Diego Nunes de Melo Marques e de João Fernando Martins do Nascimento Júnior na ata de constituição, com a correspondente falsificação de suas assinaturas.

Os denunciantes ainda entregaram ao promotor cópias dos processos nº 13.123408/2012, 13.12300093-002010 e 13.00019/2011, que tratam de convênios firmados entre a Secretaria Municipal de Esportes e a entidade.

De acordo com a denúncia, assim como a constituição de entidade, as prestações de contas da utilização das verbas repassadas pela Prefeitura também foram forjadas nos processos.

A denúncia apresentada ao MP mostra o nível de descaramento para se arrancar dinheiro público, que deveria estar servindo, se fosse bem utilizado, para a promoção do esporte na cidade. Segundo consta, o torneio realizado pela tal entidade premiou os vencedores de fato apenas com modestos troféus. O que os atletas que competiram não sabiam é que, por trás dos panos, outras pessoas receberam os prêmios em dinheiro em seu lugar, mediante falsificação de assinaturas e recibos forjados.

Consta da denúncia que Carlos Dirceu Lopes da Silva, presidente da entidade esportiva, teria recebido ele mesmo R$ 3.357,00 para ser árbitro na competição. O estranho, segundo os denunciantes, é que ele não apitou partida alguma, pois eram os próprios competidores que serviam de árbitros, “quem perdia, arbitrava a partida seguinte”.

Coincidência ou não, este senhor é sobrinho de Fátima Cleide, a ex-senadora petista que concorre à prefeitura. Claro que é cedo para se tirar conclusões.

E ninguém, em sã consciência, pode negar que ter uma parente com a envergadura de Fátima pode ser pra lá de uma vantagem para se conseguir proximidade na relação com a municipalidade, atualmente comandada por seu partido.

Pelo que consta, além do MP, o assunto também está sob o crivo do TCE-RO.



Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: