Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  qua,   20/novembro/2019     
cidades

Falta de cirurgião cardíaco no HB gera fila de espera de 300 pacientes

22/8/2011 19:24:55
Por Assessoria / Simero
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    

 


 
Nas últimas semanas o Sindicato Médico de Rondônia vem fiscalizando órgãos da saúde pública buscando contribuir para o melhor atendimento no setor, além de denunciar junto aos órgãos competentes falta de estrutura e de condições de trabalho para os profissionais.

Fiscais do Simero visitaram o setor de cirurgia cardíaca do Hospital de Base de Porto Velho. Apenas dois cirurgiões atendem no departamento, recebendo pacientes de todo o Estado. Seriam necessários oito cirurgiões para atender a demanda.

Em dois anos, o setor de cirurgia cardíaca recebeu mais de cinco milhões de reais em investimentos na compra de equipamentos e qualificação profissional. Apesar do montante de recurso, apenas dois cirurgiões trabalham no setor. Mais de 300 pacientes aguardam na fila por cirurgia.

Segundo Rodrigo Almeida, presidente do Simero, o serviço está praticamente parado, pois faltam profissionais e equipamentos adequados. Quando acabam os equipamentos e medicamentos para esse tipo de cirurgia, há um longo processo para compra de novos equipamentos, aumentando o tempo do paciente na fila de espera. “Muitos pacientes não conseguem fazer a cirurgia no Hospital de Base e continuam buscando atendimento em outros estados”, explica.

O presidente do Simero explica que para realizar uma cirurgia cardíaca, outro profissional é necessário. Trata-se do perfusionista, essencial nesse tipo de procedimento cirúrgico, mas que também está em falta. Somente dois perfusionistas trabalham no setor de cirurgia cardíaca do Hospital de Base. “Esses profissionais ganham cerca de R$ 1.500,00 mensais, o Estado precisa ter um plano de remuneração adequada, eles ameaçam sair em busca de um salário melhor”.

Levantamento feito pelo Simero aponta que seriam necessários oito cirurgiões cardíacos e seis perfusionistas no atendimento do Hospital de Base da capital. Caso contrário, pacientes continuarão morrendo na fila à espera de uma cirurgia.

Equipamentos de oftalmologia quebrados
Em outra vistoria no setor de oftalmologia da Policlínica Oswaldo Cruz também em Porto Velho, fiscais do Simero encontraram equipamentos quebrados e falta de profissionais suficientes para atender a população.

De acordo com o médico Rodrigo Almeida, pacientes precisam chegar às 4 horas da manhã para agendar uma consulta. Equipamentos de exames de oftalmologia estão quebrados. Por outro lado, outros equipamentos novos ainda estão fechados na caixa e nunca foram usados.
“Falta atitude do gestor da saúde para fazer o setor de oftalmologia funcionar com qualidade. Muitos pacientes estão ficando cegos por falta de tratamento adequado”, denuncia.



Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: