Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  sáb,   18/setembro/2021     
política

O triste fim do outrora poderoso Amir Lando, o homem que cassou Collor

7/10/2010 15:54:04
Por Gessi Taborda
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    

 



Clique para ampliar
Conheci Amir Lando em seu "debu" político. Na Assembléia Legislativa, na primeira legislatura de Rondônia, ele foi certamente um dos maiores oradores (talvez ficasse abaixo somente de Tomas Correia) que passaram pela Assembléia Legislativa. A primeira decepção que tive com o Amir foi quando ele mostrou-se incompetente para continuar na Casa Civil do governo do Estado.

Mas Amir Lando sempre foi uma homem de muita sorte. Fez fortuna em Rondônia, chegou ao Senado pela primeira vez sem votos, ganhou notoriedade e respeitabilidade ao ficar conhecido no Brasil como "o homem que cassou Fernando Collor" e chegou a ser o Ministro da Previdência, onde ficará apenas lembrado como "mais um" que ocupou a pasta.

Pois é, o todo poderoso Amir Lando poderia encerrar sua vida com essa brilhante currículo. Ele parecia resignado a isso. Após o seu último revez eleitoral deixou Rondônia e foi morar em Brasília. Vendeu até mesmo sua velha casa na Avenida Calama. Ninguém imaginava que Amir tentasse voltar ao cenário da vida pública no Estado.

Mas Amir é um daqules políticos que nunca gostou de calçar as sandálias da humildade. E veio para cá nesse ano apenas com o obejtivo de conseguir um novo mandato, de deputado federal, algo que para quem analisa o cenário do estado era de todo improvável.

Fez uma campanha gigantesca. Sustentou várias candidaturas de deputados estaduais (inclusive a do mais votado, Zequinha Araujo) e, ele mesmo, colheu o esperado insucesso. Amir que já quiz ser candidato a governador de Rondônia e desistiu colocando no sufoco o ex-deputado Natanael Silva, parece não ter a mais remota possibiliade de voltar à vida pública com os votos de Rondônia.

Mas ele, assim como José Guedes, deverá tentar outra vez, até usar o simancol para compreender que é carta fora do baralho.



Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: