Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  seg,   9/dezembro/2019     
política

Com Ficha-Suja aprovado, Donadon pode ficar fora das elei√ß√Ķes desse ano

19/5/2010 23:55:41
 
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    

 



Clique para ampliar

Com aprovação do Projeto Ficha-Suja, que proíbe pessoas com condenação por órgãos colegiados da Justiça de disputar cargos eletivos, o deputado estadual Marcos Donadon  (PTB) pode ficar de fora das eleições desse ano, segundo a norma, tal como aprovada nesta quarta-feira pelo Senado. Abaixo, informações da Ong Transparência Brasil sobre a "ficha corrida" do parlamentar rondoniense.

 

Marcos Donadon (PMDB-RO)
Assembléia Legislativa/RO
 

Nome de batismo:
Marcos Antônio Donadon

CPF: 341.328.562-91

Cargo anterior:
Deputado estadual (PTB-RO)

Cargos relevantes: Secretário municipal de Obras de Colorado do Oeste (1993). Deputado estadual por três legislaturas (1995-1999, PMDB-RO; 1999-2003, PSC-RO; 2003-2007, PTB-RO). Presidiu a Casa nos biênios 1995-1996 e 1997-1998.

Outros dados relevantes: Empresário e ruralista. Filho de Marcos Donadon e irmão de Melki Donadon, ex-prefeitos de Colorado do Oeste. Irmão de Natan Donadon, deputado federal (2007-2011).

Histórico de filiações partidárias: PMDB, PSC, PTB e PMDB.

e-mail: marcosdonadon@ale.ro.gov.br

Votos recebidos na última eleição: 11.779

Eleito(a) pelo PMDB.

 




Exceto por itens em que se informam explicitamente datas de atualização, os dados de Marcos Donadon apresentados nesta página foram alterados por último em 08/02/2010. A Transparência Brasil só se responsabiliza por referências extraídas daqui após essa data.
Ocorrências na Justiça e Tribunais de Contas

As informações sobre ocorrências nas Justiças estaduais e nos Tribunais de Contas dependem da disponibilidade de dados em cada Corte, havendo grande disparidade de estado a estado. Por isso, pode acontecer eventual ausência de menção a processo em que algum parlamentar é réu. Processos que correm em primeira instância só são incluídos quando movidos pelo Ministério Público ou outros órgãos públicos. Processos movidos por outras partes só são assinalados quando já existe decisão desfavorável ao parlamentar. No caso de contas de campanha rejeitadas, todas as decisões são assinaladas aqui (desde que o político não tenha obtido a anulação da decisão), mesmo que o parlamentar tenha corrigido o problema (no caso de erros meramente formais, por exemplo). São anotadas ocorrências relativas a homicídio, estupro e pedofilia, mas não são incluídos outros litígios de natureza privada (como disputas por pensão alimentícia), nem queixas relacionadas a crimes contra a honra (porque políticos são freqüentemente alvo desse tipo de processo). Por fim, assinala-se aqui a inscrição do parlamentar na dívida ativa previdenciária e na lista de autuados por exploração do trabalho escravo.

TJ-RO Ação Penal Nº20000019990002152 - Foi condenado a 16 anos e oito meses de reclusão e 250 dias-multa no valor-dia correspondente a um salário mínimo vigente ao tempo do fato por crime de peculato e formação de quadrilha ou bando, que resultou no desvio de mais de R$ 3 milhões da Assembléia Legislativa. O STJ Habeas Corpus Nº115870/2008 determinou que o condenado aguardará em liberdade até o trânsito em julgado do processo.

TJ-RO Ação Penal Nº0000364-37.2010.822.0000 - Réu por formação de quadrilha e peculato em ação movida pelo Ministério Público referente à Operação Dominó da Polícia Federal. As investigações da PF encontraram indícios de uso de folha de pagamentos paralela na Assembleia Legislativa em 2006.

TJ-RO Ação Penal Nº20200020050047701 - Desvio de dinheiro dos cofres da Assembléia Legislativa para pagamento de passagens aéreas a benefício de parlamentares, amigos e familiares dos réus.

TJ-RO Ação Penal Nº20000019990014525 - Peculato, formação de quadrilha e crimes previstos na lei de licitações. Marcos Donadon é acusado de haver repassado recursos a meios de comunicação de Rondônia, durante o período em que presidiu a Assembleia, com a finalidade de propagar imagem positiva para si e para seu irmão, Natan Donadon. Os repasses teriam sido feitos por meio de contrato fraudulento firmado com uma empresa de Mário Calixto Filho, proprietário do jornal O Estadão do Norte, para suposta prestação de serviços de publicidade.

TRE-RO Ação Penal Nº53/2007 - Compra de votos. A denúncia foi recebida e o processo corre em primeira instância, na 24ª Zona Eleitoral.

STF Inquérito Nº2494/2007 - Crime eleitoral; abuso de poder econômico.

FONTE: Transparência Brasil.

 




Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: