Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  seg,   21/setembro/2020     
cidades

Campanha de combate à Hanseníase começa na próxima segunda-feira

24/1/2010 15:14:03
 
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    



Começa na próxima segunda-feira (25) em treze municípios do Estado, incluindo a Capital, a Campanha Estadual de Combate à Hanseníase que tem como objetivo conscientizar a população sobre a necessidade de se conhecer os sinais e sintomas, bem como a buscar a cura para a doença.  



Clique para ampliar
 

Nos últimos dez dias, os profissionais que atuam na área de Hanseníase em Rondônia contaram com a colaboração de toda a imprensa para massificar a divulgação da campanha. A partir de segunda-feira iniciam-se uma série de atividades nas unidades de saúde de vários municípios do Estado, incluindo palestras de orientação e distribuição de material informativo.  

 

O Dia Mundial de Combate à Hanseníase é lembrado no último domingo do mês de janeiro, mas as ações estão sendo realizadas desde o início do mês. A Coordenação Estadual de Combate à Hanseníase trabalha em conjunto com a Gerência de Vigilância Epidemiológica e Ambiental (GTVAE), da Agência Estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa). 

 

Os serviços de saúde, de acordo com a chefe do Núcleo de Hanseníase da Agência Estadual de Saúde (Agevisa), Wandicliuce Melo Pinheiro, precisam estar preparados para diagnosticar e tratar precocemente a doença, para se bloquear sua transmissão, reduzir as incapacidades físicas e para acabar com o medo e o preconceito que causam a discriminação e os danos psíquicos, morais e sociais aos doentes, seus familiares e à sociedade. 

 

Números da doença são altos em Rondônia 

 

O Estado de Rondônia registrou 1050 novos casos em 2008 em adultos e 83 casos em crianças menores de 15 anos, números que representam 40% dos casos na Amazônia Legal. Para a coordenadora, a Hanseníase em crianças é um indicador de importância epidemiológica, porque mede a magnitude da doença e indica a transmissão recente por fontes próximas.   

 

A Hanseníase tem cura, porém, muitas vezes, as pessoas nem sabem que são portadoras da doença que se manifesta em forma de manchas na pele. Ela atinge crianças, homens e mulheres de qualquer idade e é transmitida de uma pessoa para outra através da respiração, desde que o contato entre as pessoas seja prolongado.  

 

O tratamento para a Hanseníase é gratuito e os serviços são desenvolvidos em Unidades Básicas de Saúde (UBS) e pelas Equipes de Saúde da Família, que realizam diagnóstico, tratamento e acompanhamento dos pacientes.  

 

Atividades nas unidades de saúde 

 

Entre as atividades da campanha, haverá a distribuição de material educativo em todas as regionais de saúde e de alertas através de emissoras de rádio. Na Policlínica Oswaldo Cruz serão feitas palestras de sensibilização para funcionários da empresa Camargo Correia, que emprega os trabalhadores das usinas hidrelétricas, bem como a distribuição de folderes e de cartazes, além de agendamento para consulta dos casos suspeitos.  

 

Na Capital serão feitos ainda reuniões de sensibilização com Agentes Comunitários de Saúde, médicos e enfermeiros de todas as unidades básicas; treinamento em serviço para avaliação de grau no diagnóstico, além de palestras nas comunidades. As ações de conscientização, distribuição de material informativo, divulgação com cartazes em comércios, rodoviárias e outros espaços públicos, além de reuniões com profissionais de saúde em todos os municípios que estão realizando a campanha.  
 

 

Diagnóstico e Cura 

 

Para diagnosticar e tratar os casos esperados, a Coordenação Estadual de Combate à Hanseníase pactuou com os municípios no ano passado a necessidade de se atingir indicadores de, pelo menos, 90% de cura, realizar exames de contato nos domicílios e avaliar o grau de incapacidade física em 95% dos casos. Para atingir esses resultados são necessárias estratégias como a descentralização das ações, o aumento à conscientização, o preparo técnico de profissionais para confirmação de diagnósticos e o fortalecimento de parcerias para intensificar o compromisso com a eliminação da doença. 




Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: