Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  qui,   19/setembro/2019     
reportagem

Jovens colocam prótese mamária cada vez mais cedo

15/1/2010 19:43:21
Por Comunique-se
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    



Redução da idade e aumento do tamanho das próteses preocupam a classe médica. 


 

Há dez anos, as próteses implantadas variavam de 195 a 215 ml, hoje, o tamanho vai de 255 a 285 ml, em média. A idade das mulheres interessadas na colocação de próteses mamárias também reduziu significativamente. Há registro de adolescentes de 13 a 15 anos que já realizaram a cirurgia. Dados como esses têm causado preocupação na classe médica com as conseqüências que as jovens irão enfrentar num futuro próximo.

“A qualidade do material utilizado evoluiu muito, o que nos tranqüiliza bastante, pois sabemos que essa prótese vai acompanhar a paciente com segurança por um longo período; porém, uma jovem que ainda não engravidou e nem amamentou precisa entender que implantar uma prótese muito grande pode prejudicá-la durante o processo de gravidez e amamentação. É necessário programar-se e não ter apenas um raciocínio imediato”, revela Dr. Felipe Naufel, de Mococa.

Além da questão da saúde, também há preocupação com a parte estética. Altura, peso e largura dos ombros são levados em consideração no momento de definir o tamanho da prótese a ser implantada. “Muitas moças chegam ao consultório com a idéia fixa de que desejam próteses grandes, de 320 ml, 360 ml, não dando importância para a simetria. O volume da prótese não reflete exatamente o tamanho que a mama vai ficar, pois a prótese será somada ao volume mamário que a paciente já possui”, declara o médico.

Dr. Naufel afirma que o mais importante é existir uma relação de confiança entre médico e paciente. “O corpo humano é único e as reações do organismo podem variar caso a caso; portanto, o profissional não pode ocultar possíveis complicações que podem ocorrer durante o procedimento, bem como deve deixar explícito o resultado de acordo com a escolha da paciente. “Se a pessoa insistir na colocação de uma prótese que eu não acredito ser compatível com o seu perfil, não opero. O maior patrimônio que temos é o nosso corpo e isso deve ser respeitado acima de qualquer vontade”, finaliza.

FONTE: Comunique-se




Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: