Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  sex,   3/julho/2020     
cidades

No Festival de Cinema de Brasília, o destaque ficou para o longa “É proibido fumar”

23/11/2009 17:44:29
 
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    

 


 

Mais uma noite de casa cheia no penúltimo dia de Mostra Competitiva 35mm do 42º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro. A grande expectativa da noite foi a exibição do longa-metragem É Proibido Fumar, de Anna Muylaert, protagonizado por Glória Pires e Paulo Miklos que estiveram presentes na sessão. “É uma honra para nós estarmos aqui. Particularmente estou muito nervosa, pois essa é a primeira exibição do filme e gostaria de dedicar essa sessão aos músicos brasileiros e também aos 50 anos da morte de Heitor Vila-Lobos”, disse a diretora Anna Muylaert momentos antes do início da sessão. O filme divertiu a platéia do Cine Brasília e foi muito aplaudido pelo público que lotou a sessão.

É Proibido Fumar conta a história de Baby, uma mulher que mora sozinha no apartamento que herdou de sua mãe e que encontra no cigarro sua melhor companhia. Quando o músico Max se muda para o apartamento vizinho ao seu, ela vê a chance de viver um romance e voltar à vida mas percebe que o cigarro é o primeiro, mas não o maior de seus inimigos.

Outros dois curtas antecederam o longa na noite de ontem. O primeiro foi uma produção baiana, “Carreto”, de Marília Hughes e Claudio Marques, que conta uma história sobre pequenos gestos. “Nós somos muito gratos ao Tinho (protagonista), porque ele se entregou de corpo e alma ao filme e se dedicou muito”, disse o diretor.

Em seguida foi a vez de “A Noite Por Testemunha”, de Bruno Torres. “No cinema, assim como nas outras artes, podemos trabalhar com diversos temas, inclusive com os que a gente não gosta. E foi por causa de uma insatisfação minha que eu resolvi produzir esse filme”, explica o diretor da produção que reconstitui uma tragédia que chocou não só o Distrito Federal, mas todo o país. Em abril de 1997, cinco rapazes da Capital Federal ateiam fogo em um índio Pataxó que, perdido na cidade grande, dormia em um ponto de ônibus.




Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: