Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  sex,   27/novembro/2020     
cidades

Populações afetadas por investimentos do BNDES irão denunciar efeitos negativos dos projetos

18/11/2009 01:22:20
 
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    



É o BNDES que garanter pelo menos 13 bilhões para o complexo hidrelétrico do Rio Madeira. 


 

A Plataforma BNDES, articulação de mais de trinta organizações, movimentos e redes da sociedade civil brasileira, realizará entre os dias 23 e 25 de novembro no Circo Voador, no Rio de Janeiro, o I Encontro Sul-Americano de Populações Afetadas pelos Projetos Financiados pelo BNDES. 

O encontro pretende, entre outros objetivos, expor os impactos socioambientais, culturais e econômicos causados por empreendimentos financiados por um dos maiores bancos de fomento do mundo - maior até mesmo que o capital somado do Banco Mundial, do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e do estadunidense Eximbank.

A proposta do encontro, que deve reunir cerca de 200 pessoas de todo o País, é dar voz às populações diretamente atingidas, seja através da perda de seus territórios e destruição de modos de vida tradicionais, da eliminação e precarização de postos de trabalho, desorganização da produção de alimentos e do trabalho análogo a escravidão, como também atingidas pelo desmatamento e degradação de ecossistemas, privatização de rios e cursos d’água, conflitos agrários e pela exploração intensiva dos recursos naturais.

Com um orçamento recorde de R$ 160 bilhões para o ano de 2009, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) já há alguns anos assumiu um papel central na definição do modelo de desenvolvimento do Brasil. Ele prioriza largamente o financiamento de multinacionais brasileiras e estrangeiras dos setores de etanol, hidroeletricidade, papel e celulose, mineração e siderurgia, e agropecuária, com elevados custos socioambientais. 

SÓ BENEFICIA OS GRANDES

Do total desembolsado em 2008, apenas 10% foram direcionados aos micro e pequenos empreendimentos, enquanto as grandes empresas, já consolidadas até mesmo no mercado internacional, receberam 76% dos recursos. A Plataforma BNDES reivindica que o Banco fomente o desenvolvimento que não concentre renda, não promova a exclusão de direitos e contribua para a superação de desigualdades.

“Está na hora de expor e cobrar a co-responsabilidade do Banco em relação a estes impactos. Na verdade, o BNDES é responsável por um padrão de desenvolvimento centrado na especialização produtiva em setores intensivos em natureza, só beneficia as grandes empresas nacionais e multinacionais, com baixa geração de empregos e com grandes impactos sociais e ambientais nos territórios”, afirma Luiz Dalla Costa, da coordenação nacional do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) e da Via Campesina.

Além dos vultosos financiamentos que concede a um pequeno e privilegiado grupo de empresas, o BNDES ainda tem participação acionária em várias destas companhias. No setor de mineração, por exemplo, é acionista da Vale, o que o torna responsável direto pelas cerca de duas mil demissões feitas pela mineradora recentemente. Na pecuária, a BNDES Participações (BNDESPar) detém 26,9% do capital do Bertin e 19,4% do capital do JBS Friboi – sendo, portanto, também co-responsável pelo desmatamento da floresta amazônica realizado pelos pecuaristas. 

No setor de etanol, o BNDES é um dos principais acionistas da Brenco (Companhia Brasileira de Energia Renovável), que sofre processo por exploração de trabalhadores em condições análogas à escravidão; o BNDES financia com um aporte de R$ 13 bilhões as obras hidrelétricas no Rio Madeira, também flagradas com trabalho escravo este ano. O Banco atua, igualmente na internacionalização das empresas destes setores, particularmente na América do Sul e África.

RECURSOS VEM DO FAT

É preciso explicitar que, apesar de priorizar os investimentos de grupos privados, os recursos do BNDES vêm, majoritariamente, do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) e do Tesouro Nacional. “Queremos que o BNDES, um banco 100% estatal, cumpra o papel de um banco 100% público. Não há justificativa para investir o dinheiro dos trabalhadores em empresas milionárias, enquanto o Brasil continua sendo um dos campeões da desigualdade social no mundo. A Plataforma BNDES demanda que o Banco financie um modelo de desenvolvimento justo”, declara Gabriel Strautman, secretário executivo da Rede Brasil sobre Instituições Financeiras Multilaterais.

Outras demandas das organizações que compõem a Plataforma são a adoção de uma política transparente de informação (sobre a totalidade da carteira de projetos privados, classificação de risco ambiental dos projetos, critérios de aprovação, empresas e projetos beneficiados por financiamentos a investimentos fora do País) e a adoção de critérios sociais e ambientais na análise e concessão do crédito.

Trabalham na organização desse 1º Encontro as seguintes entidades: 

Conselho Indigenista Missionário (Cimi), Federação Nacional dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura Familiar (Fetraf), Fórum Boliviano de Meio Ambiente e Desenvolvimento (Fobomade), Fórum Brasileiro de Economia Solidária (Fbes), Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas (Ibase), Justiça Global, Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Rede Brasil sobre Instituições Financeiras Multilaterais.




Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: