Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  seg,   18/novembro/2019     
cidades

Importados deverão vender mais no natal desse ano

7/11/2009 05:09:55
 
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    



A previsão é do presidente da Associação Brasileira de Supermercados, Sussumu Honda. 


 

O presidente da Associação Brasileira de Supermercados (Abras), Sussumu Honda, disse que a desvalorização do dólar deverá elevar a participação dos importados nas vendas de fim de ano dos supermercados. Segundo ele, a participação sobre o faturamento deverá superar os 3%, o que significaria retomar o patamar registrado em 2007. No ano passado, a fatia recuou em razão da alta do dólar, que superou os R$ 2,30. A moeda norte-americana fechou hoje cotada a R$ 1,731 no mercado interbancário de câmbio. 

Entre os principais produtos importados vendidos nos supermercados estão azeite, vinho, bacalhau, brinquedos e itens do setor têxtil. Honda destacou que o recuo do dólar contribuirá para a estabilização dos preços. O dirigente evitou fazer previsão para o aumento das vendas no Natal, mas salientou que elas devem ser melhores que as de 2008. 

Sobre a renovação da isenção do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) à linha branca, Honda salientou que, além do crescimento das vendas de geladeiras, fogões e máquinas de lavar, a medida deverá estimular outros produtos, como os da linha marrom (televisores e aparelhos de som) e celulares. "A renovação da medida tem um efeito psicológico no consumidor, de manutenção do otimismo com as vendas", disse. 

O executivo acrescentou que o crescimento do emprego, que a medida proporcionará ao varejo e à indústria, terá impacto nas vendas dos supermercados. "Ainda temos uma baixa penetração de alguns produtos, como máquinas de lavar, e a medida estimulará as vendas no final do ano", afirmou. 

O efeito calendário foi apontado por Honda como a razão para a queda de 4% nas vendas em setembro, na comparação com agosto. "Além de ter tido um dia a menos que agosto, setembro contou com um fim de semana inteiro a menos, o que impacta sensivelmente as vendas nos supermercados", completou.




Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: