Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  ter,   17/setembro/2019     
cidades

Prazo para recadastramento de armas vai até final do ano

10/8/2009 00:34:01
 
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    



Quem não se submeter ao procedimento passará a cometer crime de posse ilegal de arma a partir do primeiro dia de 2010, com punição de 1 a 3 anos de re­­clusão. 


 

O prazo final para proprietários de armas de fogo renovarem ou registrarem seus armamentos será 31 de de­­zembro deste ano. Quem não se submeter ao procedimento passará a cometer crime de posse ilegal de arma a partir do primeiro dia de 2010, com punição de 1 a 3 anos de re­­clusão. Para esclarecer sobre o processo, foi lançada on­­tem, em Brasília, a Campanha Nacional de Recadastramento de Armas. “Não fazer o recadastramento é crime. É um ato voluntário, amparado por lei, e ninguém sofrerá san­­ção”, explica o diretor de Combate ao Crime Organi­zado da Polícia Fede­­ral, delegado Roberto Tron­con. Após vencer o prazo, não haverá cadastramento, apenas devoluções.

De acordo com Troncon, todo proprietário de arma precisa fazer o registro, pois qualquer processo anterior perde o valor em 2010. “Esta será a única oportunidade pa­­ra se recadastrar uma arma”, afirma. Delegado da PF, Douglas Saldanha afirma que há desconhecimento por parte da população sobre o procedimento. “O que a gente verifica, na prática, é a falta de informação da população. E o objetivo é atingir a to­­dos”, afirma.

ESTIMATIVA                     

Apesar de a PF não informar a expectativa de cadastros, o governo estima a existência de pelo menos 2,8 milhões de ar­­mas clandestinas. Essa é a diferença entre os 7,8 milhões de armas contabilizadas pelo Ministério do Exército e os 5 milhões de unidades vendidas pelas lojas do setor nos últimos dez anos.

Para alcançar o objetivo, a campanha também foca no interior do país. Conforme Salésio Nuhs, diretor da Associação Nacional da Indústria de Armas e Munição (Aniam), armas como carabinas são comuns para a caça e defesa das residências. Por esse motivo, haverá ênfase na campanha longe dos centros urbanos.




Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: