Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  sáb,   26/setembro/2020     
reportagem

Sitiantes param BR-364 por mais de 16 horas

29/6/2009 21:01:04
Por Aldrin Willy
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    

 



Clique para ampliar

Um grupo de cerca de 40 sitiantes das redondezas do distrito de Abunã, a 280 km de Porto Velho, bloqueou ontem (28/06) a rodovia BR-364 no entroncamento das vias que seguem para Rio Branco (AC) e Guajará-Mirim (RO).

 

O movimento, que não tinha um líder definido e contava com várias pessoas embriagadas, reivindicava o fornecimento de energia elétrica para as terras da região. Essas terras, segundo um manifestante que não se identificou, estão “há mais de 20 anos” sem luz elétrica.

 

O bloqueio na BR-364 iniciou por volta das 19h30 do domingo (28/06) e só terminou segunda-feira (29/06), em torno de 11h30, com mais de 16 horas de paralisação. Os motoristas, pegos de surpresa pela barreira, não entenderam por que os manifestantes escolheram a rodovia como palco de seu protesto, uma vez que, como disse o caminhoneiro Airton Cruz, “não tem nada a ver com a reivindicação deles”.

 

Houve vários momentos de tensão durante o protesto, em parte pela posição intransigente dos manifestantes que obstruíram a rodovia. Eles se negaram, quase até o último momento, a negociar qualquer abrandamento do bloqueio.

 

Ambulâncias e carros oficiais só eram autorizados a atravessar após os manifestantes vistoriarem os veículos, em busca “de um K.O. [artifício para enganar] só para furar nosso protesto”.

 

O fim da manifestação veio com a chegada do Núcleo de Operações Especiais da Polícia Rodoviária Federal (PRF). Muito agitados no início, os manifestantes se recusavam a liberar a pista. A PRF chegou a estar na iminência de dispersar o grupo com o uso de força, lançando bombas de efeito moral. Contudo, em uma última tentativa, os manifestantes concordaram em terminar o bloqueio pacificamente, com a promessa de que dentro de 25 dias a região terá fornecimento de energia elétrica rural.




Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: