Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  qui,   19/setembro/2019     
reportagem

Mais de 60% das micro e pequenas empresas foram afetadas pela crise

28/6/2009 15:42:38
 
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    



A pesquisa foi realizada entre março e maio deste ano, junto a 4.200 micro e pequenas empresas de todo o País. 


 

Indústria, agronegócio e exportação foram os setores em que as micro e pequenas empresas brasileiras sentiram os efeitos mais fortes da crise financeira internacional, iniciada em setembro de 2008. É o que revela a pesquisa Impacto da Crise Financeira Internacional nas MPEs Brasileiras, divulgada esta semana pelo Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de São Paulo (Sebrae/SP).

Segundo o estudo, 63% das micro e pequenas empresas nacionais foram afetadas pela crise. O coordenador da pesquisa, Marco Aurélio Bedê, disse que o impacto foi mais intenso no Sudeste e no Centro-Oeste, onde 64% das empresas se queixaram de efeitos negativos. A primeira região tem uma concentração maior de indústrias e de exportadores. Já no Centro-Oeste, predomina o agronegócio.

Dentre os principais problemas, a queda de demanda foi indicada por 60% dos entrevistados, seguida de juros mais caros (45%) e dificuldade na obtenção de crédito (40%). A pesquisa foi realizada entre março e maio deste ano, junto a 4.200 micro e pequenas empresas de todo o país. Somente 2% das MPEs apontaram aumento da inadimplência dos clientes e queda nos lucros como reflexos da crise mundial.

Bedê informou, entretanto, que há entre os empresários uma perspectiva relativamente otimista para os próximos seis meses: 46% das empresas esperam melhora do faturamento, 43% acreditam que o cenário permanecerá o mesmo e 9% acham que vão diminuir as vendas. No emprego, 66% dos empresários pretendem manter o quadro atual, contra apenas 8% que planejam demitir.

 

NÃO É ESPECÍFICO

O consultor do Sebrae advertiu que o problema de financiamento não é específico da crise externa, mas sempre ocorreu no Brasil para esse segmento econômico.

"Crédito para pequena empresa sempre foi problema. Mas, na hora em que acontece a crise internacional, você tem uma piora do problema, porque você passou a ter menos recursos disponíveis para empréstimos, de forma geral, e os bancos passaram a exigir mais garantias reais, depósitos em contrapartida, relatórios todo tipo de documentação. São muito mais seletivos", disse.

A indústria teve o impacto maior da crise, mas o comércio também sentiu os efeitos negativos. Segundo ele, o setor industrial é mais dependente de empréstimos para capital de giro e está mais vinculado à economia internacional na parte da exportação. Também trabalha com volumes grandes e produtos mais caros. Esses fatores levam a uma maior concentração dos problemas na indústria, explicou Bedê.

 

JUROS ESTRATOSFERICOS

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse que o crédito para a pessoa física no Brasil continua alto, mesmo o cobrado pelos bancos públicos. "Nós (bancos públicos) ainda estamos cometendo muitos exageros no crédito para pessoa física. E os bancos privados estão duas vezes exagerados", afirmou.

O ministro defendeu a necessidade das instituições financeiras reduzirem os juros para "estimular o consumo e dar mais consistência à economia".

Mantega voltou a destacar a ação dos bancos públicos como instrumentos de controle governamental na economia para combater os efeitos e as causas da crise financeira. "Os bancos públicos podem ser poderosos instrumentos de política anticíclica", disse.

O fato das instituições financeiras de caráter público atuarem em setores que iniciativa privada tem pouco interesse, como os investimentos de longo prazo e o financiamento agrícola e habitacional, foi outro fator de relevância apontado por Mantega. Para ele, os bancos públicos possuem "padrões semelhantes aos dos bancos privados, mas com objetivos diferentes".




Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: