Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  sáb,   7/dezembro/2019     
política

Chico Paraíba é confirmado como novo conselheiro do Tribunal de Contas

13/11/2008 12:24:47
 
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    



Em relação aos requisitos para o cargo, o juiz que revogou a liminar que impedia a posse de Paraíba entendeu que ele preenche as exigências legais. 



Clique para ampliar

O juiz Alexandre Miguel, titular da 1ª Vara de Fazenda Pública da Comarca de Porto Velho (RO), julgou na manhã desta quarta-feira (13.11), improcedente o pedido inicial, revogando a liminar concedida na qual impedia que o deputado Francisco Carvalho da Silva, conhecido por Chico Paraíba, em assumir o cargo de Conselheiro do Tribunal de Constas do Estado de Rondônia.

Nos autos da ação popular, os autores requereram a anulação do ato de indicação do deputado Chico Paraíba como Conselheiro do TC/RO e desconstituição de ato de nomeação e posse que contemplem o indicado. O pedido de liminar foi deferido após a requisição de informações do Poder Executivo e do Poder Legislativo. Foi alegado ainda que o parlamentar não pode ocupar o cargo de Conselheiro do Tribunal de Contas, uma vez que não possui nenhum dos requisitos previstos na Constituição, como idoneidade moral e reputação ilibada, notórios conhecimentos jurídicos contábeis, econômicos e financeiros ou de administração pública ou conta com mais de dez anos de administração pública.

Em sua sentença, o magistrado afirma que o ato de indicação é tipicamente administrativo e por isso deve passar por controle judicial. Em relação aos requisitos para assunção do cargo de Conselheiro, o magistrado entendeu preenchido os requisitos legais, eis que a existência de apenas uma ação penal contra o deputado escolhido, cuja denúncia ainda não foi sequer recebida pelo Tribunal de Justiça não pode servir de obstáculo para assumir a função de Conselheiro do Tribunal de Contas, face o princípio constitucional da presunção de inocência. Sobre o exercício de mais de dez anos de função profissional que exija os conhecimentos jurídicos, contábeis, econômicos e financeiros ou de administração pública, os documentos presentes nos autos, dão conta do preenchimento desses requisitos, haja vista que o mesmo exerceu o cargo de prefeito municipal, de deputado estadual e de direção em órgão público em tempo suficiente ao preenchimento da exigência constitucional.




Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: