Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  qua,   23/setembro/2020     
reportagem

Prefeitura usa dinheiro público para fazer jornal eleitoreiro

28/7/2008 12:37:45
Por Aldrin Willy
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    



O “jornal” de 12 páginas, impresso em papel fino, promove a mais escrachada exaltação do prefeito, usando o dinheiro do contribuinte. 



Clique para ampliar
Ao longo de 12 páginas, em um papel de alta qualidade e com impressão digna de causar inveja a qualquer gráfica porto-velhense, a prefeitura de Porto Velho, a pretexto de “prestar contas”, tece as mais enaltecedoras loas à administração do petista Roberto Sobrinho em uma publicação intitulada “Jornal de Todos”.

Apesar de a Constituição Federal proibir que a propaganda institucional de órgãos públicos faça promoção pessoal de seus agentes, há várias referências no dito jornal à figura do prefeito Roberto Sobrinho. A impessoalidade defendida na Carta Magna para atos da administração pública é visivelmente desrespeitada em vários trechos da publicação.

Um desses trechos vem destacado logo na primeira página: “Quando a atual administração assumiu a Prefeitura de Porto Velho, em janeiro de 2005, tudo estava por fazer”. Mas o mais grotesco vem logo em seguida: “O prefeito lembra que pegou a Prefeitura com máquinas quebradas, sem condições de funcionamento, telefones cortados e muitos problemas que comprometiam o atendimento à população”.

Quem lê o jornal da primeira à última página pode terminar com a impressão de que a história recente de Porto Velho tem dois momentos: antes e depois do prefeito e candidato à reeleição Roberto Sobrinho. Isto porque, como por várias vezes se frisa no informativo, antes dele, “tudo estava por fazer”.

Chama atenção no pretenso jornal a omissão de informações mais detalhadas sobre sua elaboração. O expediente, que deveria conter, por se tratar do veículo de um órgão público, informações precisas e detalhadas de dados como distribuição, tiragem e custo, aparece escondidinho na sétima página.

Alguns detalhes sobre a feitura do jornal também são muito estranhos. Como, por exemplo, o tamanho descomunal da fonte empregada em todas as 12 páginas de pura bajulação ao prefeito e a letra miúda usada nas vagas informações do expediente.

Outro ponto que chama muita atenção é o fato de o jornal não possuir numeração nas páginas, algo inédito para uma publicação que se pretenda informativa. A data do veículo é também obscura: aparece apenas na primeira página, de forma muito discreta, “maio de 2008”.

Um último detalhe, também estranhíssimo, é o número da edição do jornal: “Edição 1”. Ou seja, a administração petista, passados quase quatro anos de sua gestão, decidiu lançar seu “boletim informativo” justamente no último ano de mandato, culminando com o período eleitoral que elegerá o próximo prefeito da capital do estado de Rondônia.

Porém, o que realmente causa estranheza é a falta de ação dos órgãos responsáveis por coibir estratagemas como este, em que se quer dar outro nome a um jornal flagrantemente eleitoreiro.


Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: