Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  sex,   15/janeiro/2021     
política

Cassol costura união da base aliada na disputa da prefeitura da capital

17/6/2008 09:10:43
 
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    



A unidade da base aliada é peça fundamental na estratégia a ser utilizada pelos governistas para vencer a sucessão municipal de Porto Velho. Ivo Cassol está consciente da importância de vencer na capital, a grande vitrine eleitoral do estado. 


 Quem gravita mais próximo do governador Ivo Cassol não titubeia em fazer esta afirmação: "Ele tem uma mente brilhante em termos de estratégias eleitorais, além de uma capacidade de trabalho avassaladora". Talvez seja por ter esta visão do governador que uma fonte das mais importantes do Palácio Getúlio Vargas respondeu ao repórter Gessi Taborda que o governador está conduzindo o processo sucessório na capital a "seu modo".

E Ivo Cassol está consciente da "importância de derrotar o PT" em Porto Velho, pois a capital é a grande vitrine eleitoral do estado, afirmou aquela fonte qualificada dos governistas.

De acordo com essa fonte, o governador vem conversando com seus aliados – principalmente com os pretensos candidatos à disputa – para aplainar as divergências, para ser dado início à campanha propriamente dita.

SABE FAZER

Parece difícil conseguir que "os aliados de Cassol" adotem a estratégia de plena união na caminhada em direção à prefeitura municipal de Porto Velho. Mas, para a fonte governista, "o governador sabe promover esta unidade e trabalha para isso em seu tempo próprio". Essa fonte lembrou um recente episódio de como isso é possível: "Em Ouro Preto do Oeste, onde duas lideranças aliadas do governador pareciam irredutíveis, a atuação de Cassol conseguiu o apaziguamento. Um desses líderes foi convidado a retornar ao governo na posição de destacado secretário estadual, com plenas condições de pavimentar seu caminho para uma importante vitória política em 2010", argumentou.

"Um projeto de vitória em Porto Velho tem uma dimensão muito grande para o que virá a acontecer em 2010 e o governador está conversando nesse sentido com a base aliada", disse a fonte. Por isso Ivo Cassol quer evitar de todas as maneiras "o desagregamento da base aliada, já que isso leva ao risco de perder as eleições", sublinhou.

Há praticamente uma certeza no arraial cassolista no "espírito de desprendimento dos pretendentes à candidatura de prefeito da capital com menor densidade eleitoral de abrir em favor daquele que, comprovado em pesquisas, tem melhores chances de vitória", opinou a fonte.

ADMINISTRAÇÃO COMUM

Questionada sobre as possibilidades de Roberto Sobrinho obter a reeleição, a fonte governista disse que o atual prefeito de Porto Velho "ficou praticamente três anos" na prefeitura sem fazer nada e somente agora, no ano eleitoral, começou a "fazer obras" mas nem por isso deixa de ser uma "coisa comum", pois "pavimentação, reformas de praças e outras obras pequenas são feitas por qualquer prefeito, em qualquer lugar do Brasil".

No caso de Porto Velho, continuou a fonte, "as obras grandes e estruturantes" tem a decisiva participação do governo do estado ou são investimentos do governo federal, "onde a prefeitura entra com quase nada".

Para citar algumas obras de estruturantes e de envergadura promovidas pelo governo estadual em Porto Velho, a fonte lembrou "o início da construção do CPA em substituição àquilo que existia na Esplanada das Secretarias, a construção do novo porto para dinamizar a utilização da hidrovia do Madeira, a construção do Teatro Estadual de Porto Velho, com início nos próximos dias e muitas outras obras programadas para melhorar a infraestrutura da capital".

Reafirmando que a administração do PT em Porto Velho é comum, sem nada que justifique uma administração inovadora e muito menos surpreendente, como deveria ser a administração de alguém com canal aberto diretamente com o Presidente da República".

Perguntado se diante da propaganda feita pelo prefeito atual, de nítido cunho de promoção social, ele não seria um candidato imbatível, a fonte assim opinou: "não há político imbatível nem numa disputa estadual, quanto mais numa disputa municipal".

LINDOMAR GARÇOM

Ao ser questionado sobre o apoio do governador a praticamente certa candidatura de Lindomar Garçom, pelo Partido Verde, à disputa sucessória, a fonte afirmou: "O deputado Lindomar Garçom é, entre os aliados do governador, o que melhor se posiciona nas pesquisas, praticamente superando o atual prefeito em termos de aprovação popular".

"Ele reúne todas as condições para assumir o projeto de vitória dos aliados do governador em Porto Velho, pois é um nome agregador, ousado, e com uma capacidade muito grande de trabalho. Ele foi, na prática, o construtor do município de Candeias do Jamary, onde graças à aprovação dos moradores, foi prefeito duas vezes. Ora, se vier a ser o prefeito de Porto Velho certamente vai ser responsável por grandes realizações, porque tem um projeto moderno, inovador e ousado para enfrentar os pontos de estrangulamento do desenvolvimento da capital, mantendo sua carreira política ascendente", destacou a fonte.

Para concluir, a fonte garantiu que o governador não será um assistente da disputa a ser travada em Porto Velho. "Ele vai se empenhar, vai assumir o projeto que não é apenas do Lindomar Garçom e sim de toda a base aliada, e certamente toda essa base vai se empenhar pra valer, no sentido de que a vitória se concretize, dando ao governo melhores condições de participar do desenvolvimento de Porto Velho", encerrou a fonte.


Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: