Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  qua,   20/janeiro/2021     
reportagem

Camponeses: pobres, mas guerrilheiros

28/3/2008 07:46:55
 
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    



Secretaria da Segurança e Cidadania rondoniense quer Força Nacional para desmantelar guerrilha dos Camponeses Pobres de Rondônia. 


 A denúncia de que a Liga dos Camponeses Pobres atua em Rondônia como uma frente guerrilheira não é nova. Mas depois de repercutida em reportagem da revista Isto É, acabou tendo outros desdobramentos, como o pedido do governo do Estado ao governo federal para colocar a Força Nacional em ação contra o grupo.

Um documento elaborado a meses pela Sesdec deverá ser encaminhado ao governo federal ainda no mês de março, afirmando que Rondônia não tem o aparato militar suficiente para enfrentar a situação critica que a tal Liga vem criando no interior.

RISCOS DE GENOCÍDIO

Conflitos armados com resultados muito graves é uma preocupação da Sesdec. A elaboração do documento da Secretaria responsável pela política de segurança estadual tem como proposta se precaver de um possível genocídio em massa envolvendo a guerrilha, pois, de acordo com Cezar Pizzano a forma tática que a LCP atua é de confronto total. O que mais surpreende o secretário é o preparo tático da LCP que pode estar ligada as forças para-militares, ou seja, um suposto treinamento da Força Revolucionária da Colômbia (FARC). A Liga dos Camponeses Pobres tem 12 bases distribuídas no interior do Estado.

“Nós estamos passando por uma situação extremamente preocupante na qual a ABIN (Agência Brasileira de Inteligência) e a Polícia Federal têm conhecimento, mas, estão somente deixando que o estado resolva, porém não temos condições para partir para este tipo de operação, de alta complexidade. É muito grande o risco de que alguma tragédia possa acontecer”, disse Pizzano.

O secretário falou ainda de um assassinato de dois idosos que aconteceu a poucos quilômetros do pequeno município de Buritis, onde, segundo relato de Pizzano, um comboio parou para comprar alguns mantimentos no bar do casal de idosos e depois seguiram viagem, horas mais tarde, já em Buritis, os policiais ficaram sabendo que o casal foi brutalmente assassinado pelo suposto grupo LCP.

De acordo com o mapa da justiça, divulgado no início deste mês pelo Ministério da Justiça, algumas cidades do interior do estado de Rondônia são apresentadas como extremamente violentas, como: Buritis, Chupinguaia, Machadinho. Todas essas áreas são de conflitos de terras onde exatamente esses grupos estão com suas bases montadas, afirmou o secretário adjunto. (Com dados do site Rondoniaovivo


Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: