Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  seg,   25/maio/2020     
política

Zequinha não crê em perda de mandato

18/3/2008 16:01:38
 
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    



Considerado um vereador talhado para a vitória, Zequinha Araújo foi colado no alvo das cassações pela mais recente legislação da fidelidade partidária. Após enfrentar a 1ª audiência preparatória na Justiça Eleitoral, o vereador acha que não corre mais riscos. 


 O vereador Zequinha de Araújo responde a uma ação de perda de mandato por ter trocado de partido. A ação, como se sabe, foi proposta pelo Ministério Público Eleitoral, com base na mais recente resolução sobre infidelidade partidária.

A última vitória de Zequinha como vereador aconteceu pelo PSDB. Ele trocou deixou o partido em 2055. A resolução em que se baseia o pedido de perda do mandato do vereador é de 2007. Essa é uma das características desse processo que tranqüilizo o vereador, hoje integrante da legenda do PMDB.

Quem deu entrada no processo de cassação do mandato do vereador não foi o PMDB e sim o Ministério Público Eleitoral, explicou o próprio Araújo.

ABSOLVIÇÃO

Após participar da 1ª audiência, onde além do vereador também foram ouvidas testemunhas, Zequinha acha que no final será absolvido das acusações, “até porque a lei não pode retroagir para prejudicar as pessoas”. Tendo como patrono nessa causa pelo advogado Orestes Muniz, tido como um dos melhores do estado, o vereador acredita que “não terá impedimento” para continuar sua carreira política, tentando uma nova reeleição, desta vez pelo PMDB.

Ele não tem idéia de quando acontecerá o desfecho final dessa ação, alimentando esperança de que no máximo até maio o judiciário chegue à sentença, absolvendo-o.

O vereador não esconde ter passado dissabores e momentos de angústia em virtude desse processo, “mesmo não tendo ficado descrente, em nenhum momento, de que a Justiça seria feita com o reconhecimento de minha inocência e da legitimidade do meu mandato, reconhecendo que deixei o partido num momento em que isso não era ilegal no Brasil”, concluiu.


Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: