Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  dom,   17/outubro/2021     
política

Governador proíbe servidores de fazer campanha durante expediente

23/7/2006 23:24:18
 
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    



Pelo menos em três oportunidades o governador Ivo Cassol recomendou aos servidores públicos do Estado redobrarem os cuidados para evitar abusos no período eleitoral. 


 O primeiro encontrou ocorreu no próprio Palácio Getúlio Vargas com servidores dos 1° e 2° escalões, o segundo encontro foi realizado nas dependências da Faculdade São Lucas, com funcionários dos cargos de livre provimento e o terceiro alerta aconteceu publicamente, quando o governador participou, como candidato à reeleição, do encontro de lançamento do Comitê Pela Ética e Contra a Corrupção, no auditório da OAB-RO. Ali o governador pediu inclusive o apoio da imprensa na denúncia de conduta irregular que porventura venha a acontecer, praticada por servidores, em oposição à legislação eleitoral, para que providências sejam tomadas por ele de imediato.

FORA DO HORÁRIO

A orientação passada pelo governador aos titulares de primeiro escalão e assessores é de que se engajem nas campanhas dos seus candidatos a deputado estadual e federal – e na dele próprio – apenas quando o horário de expediente terminar. “Cada servidor terá de usar o próprio carro e tirar o dinheiro do bolso para a gasolina”, exigiu.

Ele teme que o uso da máquina favoreça um candidato a deputado em detrimento de outro, o que causaria ciúmes no ninho governista. Além, é claro, de problemas na Justiça.

O governador salientou que é proibido fazer propaganda institucional nos próximos dois meses e meio. Esta proibição pode trazer dificuldades a órgãos que tenham necessidades de veicular campanhas inadiáveis, “mas isso só poderá ocorrer caso haja autorização especial da Justiça Eleitoral, após consulta feita pelo Estado”. De sua parte, pelo que deixou transparecer, o governador-candidato vai abrir mão de se locomover em carros oficiais, helicópteros e aviões durante a campanha. As locomoções serão feitas em veículos particulares ou alugados exclusivamente para os deslocamentos de campanha. Do aparato oficial, apenas a equipe de segurança continua com ele. O resto será bancado pelos partidos da base aliada.

ORIENTAÇÃO JURÍDICA

Durante a campanha pela reeleição a cúpula governista analisa meios de fugir da marcação da Justiça. Realiza consultas a juristas para saber se é legal a participação do governador em eventos administrativos no próprio Palácio, para eventual anúncio de novos programas. De antemão, auxiliares garantem que todos os programas em execução vão continuar em curso.

O experiente advogado França Guedes deverá coordenar uma equipe de outros hábeis advogados que trabalharão pela coligação “Rondônia não Pode Parar”.

Para ele “os cuidados do governador em não ferir nenhum dispositivo legal é a demonstração de alguém acostumado a enfrentar embates e vencê-los sempre no respeito à Justiça”. Até o momento ainda não se fez nenhum “gasto com material promocional” porque os candidatos ainda não receberam o número do CNPJ, e não teriam como contabilizar despesas antes da inscrição nesse cadastro.

(Publicado na edição nº 85, de 18 a 30 de julho de 2006)


Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: