Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  seg,   18/novembro/2019     
cidades

Rodovia do Pacífico tem início em Porto Maldonado

2/10/2005 14:40:29
 
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    



O compromisso é de que as obras estarão prontas em três anos, permitindo a ligação de Porto Velho ao Oceano Pacífico. O anúncio das obras foi feito em Porto Velho pelo embaixador do Peru, em visita oficial ao Estado. 


 Com a presença dos presidentes do Brasil, Lula da Silva; Peru, Alejandro Toledo, e da Bolívia, Eduardo Rodriguez, além de políticos de Rondônia e Acre, foi realizada no último dia 8, em Puerto Maldonado, no Peru, a cerimônia de início das obras da tão esperada Rodovia do Pacífico.

A obra, como disse aqui em Porto Velho o embaixador Hernan Couturier, em visita oficial ao presidente da Assembléia Legislativa, deputado Carlão de Oliveira, “significará postos de trabalho para as pessoas de Rondônia e da região, desenvolvimento para o Peru e para região norte do Brasil, porque dará uma maior dinamismo à descentralização do desenvolvimento e melhorará a vida das pessoas da região amazônica, de todo o Peru e facilitará uma maior integração econômica e cultural entre povos andinos e brasileiros”.

Quando a Rodovia do Pacífico estiver pronta, ou seja, daqui a três anos, Porto Velho ficará distante do porto de Ilo, no Peru, apenas 2.100 quilômetros. Com isso os produtos da região ganharão competitividade em função da queda no preço do transporte.

De acordo com o embaixador peruano, pelo menos 1.400 quilômetros do trecho total já estão totalmente prontos, faltando apenas um trecho de 700 quilômetros.

PARECIA UMA ILUSÃO

As promessas de uma rodovia ligando Rondônia à costa do Pacífico, de tanto repetida, parecia uma ilusão de ótica. Desde os tempos de Fernando Collor na presidência o assunto era debatido no Ministério dos Transportes. Em Rondônia, Miguel de Souza, então presidente da Fiero, e Antonio Morimoto, então deputado federal, eram os mais entusiastas na briga por este projeto. Mas tudo não passava de uma ilusão de ótica, uma fantasia usada pelos políticos durante as campanhas.

“Agora isso não é mais um sonho. É uma coisa que se pode crer, que já começou”, dizia o deputado Miguel de Souza a Imprensa Popular durante almoço oferecido ao embaixador peruano Hernan Couturier, no Caravela do Madeira.

Com a construção desta rodovia, os produtos de Rondônia, principalmente os do setor de alimentos, poderão ser vendidos no Peru, garantindo melhores dividendos para os produtores do Estado. Este é caso, como destacou o deputado do PL, da carne rondoniense, “que terá condições de competir com a carne vendida pela Argentina, principal fornecedor do produto ao Peru”.

Com a construção da Rodovia do Pacífico haverá um entrelaçamento fronteiriço do Brasil com o Perú, fortalecendo laços comerciais e culturais das regiões andinas com os estados de Rondônia, Acre, Amazonas e Mato Grosso. Para o Brasil ficará mais fácil adquirir do Peru o cobre, o chumbo, zinco e prata, além de insumos agrícolas, como o fosfato.

A construção da Rodovia do Pacífico permitirá a criação de pólos de desenvolvimento em nossa região, bem como o fortalecimento do turismo. Ficará mais fácil para os brasileiros de Rondônia chegar às praias do Pacífico do que às da costa atlântica.


Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: