Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  ter,   22/outubro/2019     
reportagem

Prefeito de Cacaulândia gostou da mudança

2/5/2005 09:34:06
 
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    



Adelino Follador fez questão de prestigiar a posse de Carlos Magno na Casa Civil. Ele apóia a permanência de Magno até na Arom. 


 Liderança incontestável no município de Cacaulândia, na região de Ariquemes, Adelino Follador acha que a ida de Carlos Magno para a chefia da Casa Civil do governador Ivo Cassol “contribuirá para fortalecer a política municipalista em Rondônia”.

Follador fez questão de vir a Porto Velho prestigiar a posse do novo chefe da Casa Civil, “porque inegavelmente trata-se de uma pessoa muito bem relacionado com os políticos das mais diversas correntes e poderá, se tiver autonomia, aplainar as dificuldades existentes hoje entre o Executivo e outros segmentos da política estadual”.

Adelino acha que “o fim desse clima beligerante” é importante para “o Estado avançar no atendimento às demandas da população”. O prefeito de Cacaulândia disse a Imprensa Popular que tudo vai depender “do governador deixar o Carlos Magno trabalhar”.

AROM


Ao contrário do pensamento de vários prefeitos rondonienses, Adelino Follador não acha estranho a permanência de Carlos Magno, ex-prefeito de Ouro Preto, na presidência da Associação Rondoniense de Municípios, reeleito para o presente mandato antes que os novos prefeitos tivessem tomado posse.

Ele lembrou que “a reeleição de Magno” nestas circunstâncias foi possível porque “o estatuto da Arom permitiu” e, acrescentou, Carlão obteve 80% dos votos dos membros da entidade, “inclusive o de prefeitos que conseguiram reeleger-se para mais um mandato”.

O prefeito de Cacaulândia fez questão de citar que coisa idêntica aconteceu na Federação Nacional dos Municípios, “presidida pelo Paulo, que também não é prefeito”.

Follador acha que “um presidente da Arom que não é prefeito tem mais autonomia para defender os interesses do municipalismo diante do Governo e outras autoridades, porque não sofre as pressões que um prefeito poderia sofrer”.


Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: