Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  sex,   19/julho/2019     
reportagem

Povo é contra “carnaval” fora de época, revela pesquisa

2/5/2005 08:51:30
Por Aldrin Willy
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    



Ouvindo 1403 pessoas, pesquisa realizada pela ACV (Associação Cidade Verde) mostra mais de 70% dos porto-velhenses são contra os “carnavais fora de época”. 


 O delegado Paulo Xisto, presidente da ONG (Organização Não-Governamental) Associação Cidade Verde se diz surpreso com o resultado da pesquisa. “Para mim foi uma surpresa, porque eu achava que, pelo menos, metade da população de Porto Velho se demonstrasse simpática com o carnaval fora de época de Porto Velho.”

Xisto tem razão de estar surpreso. A pesquisa mostra que a maciça maioria dos moradores da Capital é contra os “carnavais” fora de época, por um ou outro motivo.

A pesquisa foi realizada entre os meses de julho a dezembro do ano passado. Ouviu 1403 pessoas em dez bairros de Porto Velho de diferentes regiões, tanto na periferia quanto no centro.

O que motivou a pesquisa foi saber como se posicionava a população ante os blocos que tomam a avenida Jorge Teixeira, via perimetral de Porto Velho, usam de recursos públicos para realizar os chamados “carnavais fora de época”, trazendo as ‘bandas’ baianas que arrasam nossa cultura e sugam os parcos recursos da Capital. A participação nesses “carnavais”, apesar do uso de recursos públicos, tem preço: entre 300 a 500 reais.



RESULTADOS

Os resultados da pesquisa são categóricos. Das 1403 pessoas ouvidas, 999 (71%) dizem-se contrárias aos carnavais fora de época. Apenas 356 (25%) os defendem.

“Muitos são contra porque metade da cidade já é religiosa. E aqueles que não são contra por causa da religião são por outros motivos: muita violência, é uma festa que não é popular”, explica Paulo Xisto.

Os defensores dos carnavais alegam a geração de empregos, o gosto pela festa, o incremento no comércio e o aumento do turismo. A Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL), em mais de uma vez, já disse que os “carnavais fora de época” têm efeito negativo sobre o comércio, ao contrário do que dizem os defensores dos blocos.



FALTA DE CONSCIÊNCIA

A respeito do uso indevido de recursos público, a população ainda não despertou. Ela “não tem consciência de que a festa seja financiada pelo dinheiro público, porque o povo não tem consciência de que é contribuinte”, conta Xisto. “O povo acha que o dinheiro que paga a iluminação pública é dinheiro que vem do céu. Ele acha que o dinheiro que paga os policiais, é dinheiro dos marcianos”.



FESTA PARA POUCOS

Xisto termina acrescentando: “Só gosta de carnaval fora de época aquele filhinho de papai que tem 500 reais para comprar o abadá. A gente percebe claramente que não é uma festa popular, porque mesmo aquele garoto da periferia, que gosta do carnaval, não vai por ele sentir preconceito com a sua condição financeira. É acesso para poucos, tanto é que ali aparecem umas 5 mil pessoas, as outras 400 mil ficam em casa, rezando à Deus para que não aconteça nada.”


Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: