Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  sex,   19/julho/2019     
reportagem

Colônia libanesa promoveu encontro pelo lançamento de selo

19/4/2005 11:12:13
Por Aldrin Willy
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    



Cerca de um século e duas décadas atrás, chegavam ao Brasil os primeiros imigrantes vindos do Líbano, país do Oriente Médio (Ásia). Na celebração do 125° aniversário da data, a Colônia Libanesa de Porto Velho recebeu dos Correios selo em homenagem ao acontecimento. 



Clique para ampliar
O Brasil tem hoje, somando-se os descendentes, mais libaneses que o próprio Líbano. São cerca de 8 milhões vivendo no Brasil, mais que o dobro do país de origem, com 3,7 milhões de habitantes.

Além desse fator, a longa história de relação entre Brasil e Líbano foi decisiva na atitude dos Correios em homenagear a Colônia Libanesa no Brasil, concedendo-lhe um selo postal pelo 125° aniversário da imigração entre os dois países.

O selo, que terá mais de 800 mil cópias, foi lançado num café da manhã oferecido à imprensa pela Sociedade Cultural Libanesa de Rondônia, no Rondon Palace Hotel, último dia 8.

O evento teve a presença do prefeito de Porto Velho, Roberto Sobrinho. Além, claro, de vários libaneses de expressiva posição social na Capital, tais como o médico Amado Rahhal, diretor do Hospital de Base, o juiz Raduan Miguel Filho, da 3ª Vara de Família, entre outros.

A reportagem conversou com o presidente da Sociedade Cultural Libanesa de Rondônia, Mikhael Ramez Esber. Para ele, os “125 anos [de imigração] é uma vida, uma grande vitória”. A seguir, leia alguns trechos da entrevista.

Imprensa PopularPorque o Brasil foi o principal destino dos emigrantes libaneses?

Mikhael EsberNa época da guerra, o único caminho que se achava era o do Brasil. O pessoal fugia lá da guerra e vinha para o Brasil. E um trazendo o outro: o tio trazendo o sobrinho, cunhado e assim por diante. De 15 anos para cá não tem mais essa migração forte para o Brasil como era.

IP Qual o tamanho da comunidade libanesa aqui em Rondônia? Qual o município com a maior concentração?

MENós estimamos em 10 a 11 mil libaneses e descendentes. Por exemplo, aqui em Porto Velho, uma única família tem mais de 200 pessoas. Acredito que a maior concentração ainda esteja em Porto Velho.

IPA Comunidade Libanesa aqui em Rondônia procura manter as origens?

MEAté que ainda tem [exista] libanês que veio de lá, eu acredito que sim, isso não vai acabar. Nós estamos ensinando nossos filhos para que continuem com essas tradições.

IPComo a sociedade que você preside procura difundir essa cultura?

METemos o nosso calendário, primeira coisa, a reunião e a união das duas gerações brasileira e libanesa, os filhos e descendentes. E nós ensinamos o árabe, as danças, as tradições. São coisas que podem ser ensinadas através de nossa sociedade.

IPRecentemente o exército sírio, sob pressão popular, deixou o território libanês. Isso acirrou a tensão entre os dois países? Foi bom ou ruim para o povo do Líbano?

ME
Não é que seja bom ou ruim. Você está na sua casa e eu estou na minha e continuamos vizinhos. O que não pode haver é que eu vou morar na sua casa e você vai morar no quintal. Então lá, Libanês é Libanês e Sírio é Sírio, mas nós continuamos irmãos.

Foto: Aldrin Willy


Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: