Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  ter,   22/outubro/2019     
política

Há forças trabalhando pela ingovernabilidade, admite o Secretário

21/3/2005 11:53:47
Por Imprensa Popular
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    



Na opinião do deputado estadual e Secretário da Sesdec, Paulo Moraes, há gente interessada na destruição da governabilidade, para tirar proveito da situação. Mas com a ingovernabilidade só haverá perdedores, falou. 


 Para o deputado Paulo Moraes existe uma trama bem articulada pelas forças políticas contrárias ao programa que vem sendo executado pelo governador Ivo Cassol, buscando acabar com a governabilidade. “Deve ser pessoas interessadas em obter vantagens, possivelmente políticas, já de olho em 2006. Estas pessoas deveriam estar conscientes de que neste tipo de disputa só haverá perdedores, pois é a população do Estado que sofre”.

Para ele é sintomático que “somente agora” venham falar de problemas administrativos dos tempos que Ivo Cassol era prefeito de Rolim. Ora, porque não apuraram estas questões naquela época? Por que só agora isso aparece com tamanho rebuliço?, pergunta o parlamentar licenciado.

Moraes define Ivo Cassol como um governador arrojado, trabalhador, altamente interessado no desenvolvimento do rondoniense. Para ele “as diferenças surgidas entre o governador e membros da classe política” são conseqüências de um “estilo próprio” de se expressar que, em certas ocasiões, “não são interpretados corretamente” por quem não conhece “a sinceridade” do governador.

“O governador não é um homem de meias palavras, às vezes quer dizer uma coisa e acaba não sendo bem compreendido”, explica o parlamentar, ao mesmo tempo que justifica “esse temperamento próprio” do chefe do Executivo: “O Ivo nunca exerceu um cargo parlamentar. Entrou na política diretamente como Executivo. Isso influencia verdadeiramente seu estilo político. Eu penso, às vezes, que o político não deveria chegar ao Executivo sem uma experiência anterior como membro do legislativo”.

Falando de si próprio, Moraes afirma que várias pessoas o taxavam de grosso e estúpido, mas “mudaram de opinião quando passaram a me conhecer”. As pessoas têm dificuldades de interpretar a maneira de falar e de ser de um político que não gosta de ficar empurrando com a barriga, prometendo o que não poderá cumprir, detalhou.



SEM AFASTAMENTO


O deputado que está Secretário no governo de Cassol afirma que “o afastamento do governador” não acontecerá e não passa “de uma mera hipótese que só serve aos políticos interessados no quanto pior melhor”. Para ele os deputados da Assembléia Legislativa de Rondônia são “pessoas conscientes, com responsabilidades com o futuro de Rondônia” e agirão de forma conscientes, “sem convalidar as teses do aventureirismo”.

Paulo afirmou que o Executivo não vai interferir naquilo que é prerrogativa do Legislativo, até porque “o próprio governador tem deixado claro que não tem nada a esconder das administrações realizadas em Rolim de Moura, quando transformou aquele município num dos orgulhos de Rondônia”.

Para o parlamentar-secretário não se pode dizer que a busca de entendimento do Executivo com as instituições, sejam infrutífera. Moraes acredita “na qualidade dos interlocutores que o governo dispõe, como o deputado Neodi, como o Chefe da Casa Civil, o Cahulla, e até o próprio Secretário da Fazenda, o Genaro”, e prevê o retorno de uma longa temporada de paz e harmonia entre os poderes e as instituições que compõem o poder estadual.

Aproveite e leia também a
Entrevista com Paulo Moraes



Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: