Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro


 

Porto Velho,  qui,   18/julho/2019     
COLUNISTA: Gessi Taborda

Em Linhas Gerais

22/6/2005
taborda@enter-net.com.br
 
  
NARCISOU OU TORQUEMADA DE ARAQUE
O governador Ivo Cassol andou fazendo festas – principalmente no interior – para comemorar o arquivamento do processo pela manipulação fraudulenta do Orçamento, que tramitava na Assembléia Legislativa, salvando o próprio pescoço da forca com a condenação de impeachment que certamente sofreria. Era o resultado da divulgação das fitas, pela Globo, onde detonava vários deputados acusados de pedir propina para entrar no seu grupo de apoio. O Poder Legislativo foi moído pelas fitas montadas desse governador. Todo o trabalho de recuperação da credibilidade que vinha sendo feito pelo Presidente da Assembléia, deputado Carlão de Oliveira, foi varrido pela tsunami produzida pelo caricato governador rondoniense, um milionário de Rolim de Moura, onde governou, como prefeito, neste estilo stalinista de terror.
Com a faca no pescoço diante de uma Assembléia cada vez mais altiva, Cassol montou a estratégia das fitas levando vários deputados ao pior dos mundos, enquanto ele passou a ser um personagem iluminado em sucessivas edições do “Fantástico”. Ele só não imaginou a ação da Polícia Federal realizando em sua própria casa o mandado de busca e apreensão, recolhendo as fitas originais, sem edição, como as veiculadas na TV e entregues a órgãos públicos de investigação, pela “benevolência” do próprio “dono da região de Rolim”.

O GRANDE ERRO
É claro que Ivo Cassol não entregaria, nunca, por sua própria vontade as fitas (brutas) sem edição, aos órgãos e instituições com poder de puni-lo não só pela arapongagem contra o parlamento, mas também pelas confissões próprias (contidas nas fitas brutas) confirmando seu gosto pela prática de Operações de Sabotagens odiosas e pela deliberada decisão de agir como corruptor de parlamentares. Enquanto estes órgãos e instituições locais ficaram esperando a “gentileza” do governador em entregar pessoalmente as fitas, com “a pompa” de quem deveria gerir as coisas do Estado, o STJ preferiu o melhor caminho, determinando a busca e apreensão do material no bunker de Cassol. O grande erro do milionário homem de Rolim foi não ter destruído as fitas originais, agora em poder da Polícia Federal e das demais instituições que – de uma ou de outra maneira – poderão dar o tiro fatal na arrogância deste governador desprestigiado.

GOVERNADOR DIFERENTE
Ivo Cassol confirma na chefia do Estado aquilo que todos falavam: não gosta de dividir, tem um desejo sempre insaciável de Poder, dominando todas as benesses do cargo. Por isso não teve e nunca teria uma eminiência parda ao seu lado, um “homem forte” no governo.
Essa operação – até recentemente cantada e decantada como um ato de coragem e de inteligência pelos áulicos de Ivo Cassol – revela-se agora como uma grande hipocrisia. O diretor da operação – o próprio governador – passa a ser personagem de seu próprio enredo. Com a revelação de parte do conteúdo guardado nas fitas originais pela rede Bandeirantes na terça-feira (21), explicitou-se a idéia de que Cassol agiu confiando na máxima popular de que ladrão que rouba ladrão tem cem anos de perdão.
Gerou-se com a revelação de uma Cassol agindo como personagem corruptor que fez ofertas para comprar deputados um grande corpo de delito, no qual o comando de tudo sempre foi manobrado pelo próprio governador. No festival de propinas organizado pelo milionário caipira de Rolim o que se viu – com a veiculação da Bandeirantes – é que Cassol tornou-se um personagem que come a si próprio. E mesmo assim, o governo acredita que fará a diferença com desculpas esfarrapadas. No seu caso, a autofagia recrudescerá. Ouvir Cassol rebater a questão da ética é motivo de riso, de escárnio. Ele se deu mal.

TORQUEMADA DE ARAQUE
A tática de Cassol sempre teve – desde sua posse – o objetivo de transformar o Parlamento e as demais instituições do Estado em um picadeiro onde pudesse atirar pesado, usando calibre grosso, escondendo sua incompetência de tirar Rondônia do abismo econômico e social em que o Estado se debate. Cassol certamente imaginou vitórias afundando os demais poderes e instituições. A conspiração contra o Legislativo foi maior porque este é um Poder mais aberto, mais desarmado, mais dependente da opinião pública e ao mesmo tempo com maior agilidade na denúncia dos descalabros patrocinados pelo Executivo.
Cassol teve tempo suficiente para montar suas gravações clandestinas usando-as como blindagem no momento em que se viu com a faca no pescoço diante do processo onde a Assembléia poderia mandá-lo para as cucuias definitivamente, rasgando seu nome da vida pública e permitindo, com isso, que todas as demais suspeitas de corrupção no governo fossem investigadas sem as barreiras do momento. O comprometimento de Cassol com tudo aquilo de ruim registrado em seu governo é total, exigindo por parte dos Poderes e instituições – mais ainda do Legislativo – a aplicação de um choque de decência na administração pública. Com o desmascaramento do Torquemada de Rolim, ainda há tempo de salvar o barco, contando que no Executivo não esteja mais um videomaker produtor de tsunamis.

OS LUCROS DO PARAÍBA
De alma lavada com a divulgação pela Rede Bandeirantes, na última terça-feira, em rede nacional, da parte escondida das fitas de vídeo gravadas cladestinamente pelo governador travestido de araponga, o deputado Chico Paraíba prometeu processar todo mundo que contribuiu para manchar sua honra, jogando seu nome na vala comum dos deputados propineiros. Paraíba vai processar da Globo aos produtores de um site – ligado a um Conselheiro – e poderá, é claro, receber uma grande bolada de indenização. Vai provar que quem ri por último ri melhor.

GAZZONI TAMBÉM SOFREU
Também o parlamentar Edson Gazzoni poderá meter a mão nessa bufunfa. A denúncia contra ele, aquela que mostra um pequeno marginal e uma mesa cheia de cheques dentro de um aventado esquema de corrupção para surrupiar dinheiro do Estado não passa de uma montagem barata. Todo mundo sabe que cheques de órgãos públicos têm uma mesma cor e não aquela miscelânea mostrada. Gazzoni é do comércio. Cresceu nessa atividade e não é bobo. É claro que vai cobrar caro de seus detratores.

Nenhum comentário sobre esta coluna

Mais colunas de Gessi Taborda
Páginas: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13


Últimas Matérias
Publicidade: