Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro


 

Porto Velho,  qua,   17/julho/2019     
COLUNISTA: Gessi Taborda

Em Linhas Gerais

30/3/2004
taborda@enter-net.com.br
 
  
DEFINIÇÃO DIFÍCIL

Venho assistindo as entrevistas de pré-candidatos a prefeito de Porto Velho na televisão, principalmente na retransmissora da Rede TV, onde o jornalista Sérgio Pires tenta arrancar alguma declaração importante desses personagens. Até agora as revelações dos pretensos candidatos não saíram da superficialidade. Por ali eu vi Mauro Nazif e Oscar Andrade dando respostas que não permitiram estabelecer diferença entre os dois. Vi também o vereador Ribamar Araújo, tido como candidato de oposição mais radical, sem saber expressar os desejos e as expectativas da população relação ao futuro de Porto Velho. A primeira entrevista de prefeitável que vi (na TV Norte) foi a de Roberto Sobrinho. E, verdade seja dita, pareceu-me o mais aparelhado a transmitir uma idéia de comprometimento com os setores populares e com suas reivindicações. Pena que seu partido vai se perdendo num emaranhado de contradições.

Não dá, entretanto, para fazer uma avaliação segura de nenhum deles. Primeiro porque os entrevistadores não souberam explorar os entrevistados. Usaram o caminho da entrevista-convescote, levando a coisa na base da camaradagem, atendendo gregos e troianos. Então, as “entrevistas” não sinalizaram quem mais representa os velhos e tradicionais interesses daqueles que se alimentam gananciosamente do poder ou quem representa verdadeira mudança.

No caso do vereador Ribamar, destacou-se a imagem de um homem acostumado a fazer oposição cega a quem quer que seja. No caso de Oscar a sensação era de um homem mais preocupado com um projeto pessoal do que com a solução dos graves problemas enfrentados pela população da Capital.

Em termos de Mauro, o eleitor interessado numa definição se embatucou: Afinal essa liderança está presa à velha direita ou a um novo tipo de esquerda. Roberto Sobrinho, com maior treinamento discursivo, tentou reafirmar compromissos partidários com a geração e distribuição de renda (ele coordena no estado o Programa Fome Zero), dando ênfase àquele papo da sociedade menos desigual, mais justa e mais solidária.

É compreensível a falta de tempero e de compromissos desses pré-candidatos. Afinal, o jogo da sucessão ainda está longe de ficar quente, daí o desfile desses candidatos sem bandeiras.

Com o tempo, a entrevista-convescote dará lugar a questionamentos reais, permitindo que os concorrentes mostrem suas diferenças. Só assim o eleitorado saberá dizer nas urnas em que direção pretende ver o município da capital caminhar. A imprensa precisa mostrar ao eleitor quem é capaz de juntar corrupção, incompetência e traição, buscando a vitória a qualquer custo e quem tem mais facilidade para matar as esperanças de nosso povo. Assim cumprirá seu papel democrático.

Para esses pré-candidatos praticarem a autocrítica, verão que com suas entrevistas só uma coisa ficou clara: Nossa classe dominante ainda não se preocupa e nem se emociona com o drama dos milhares de portovelhenses que acordam todo o dia sem saber se terão comida, emprego ou simples lugar onde cair morto.

JARI

O Detran tem obrigação de esclarecer ao público porque dezenas de processos destinados à Junta Administrativa de Recursos e Infrações dormem na gaveta da diretora daquela autarquia. Dezenas de motoristas estão sentindo-se prejudicados em seu direito de defesa. Processos protocolados em janeiro estão travados sem maiores explicações.

JUDAS

O próximo sábado está preocupando vários políticos de Rondônia. Principalmente aqueles que podem virar o personagem que será malhado sem dó e nem piedade nessa manifestação do folclore brasileiro.

ANIVERSÁRIO

Durou 21 anos e seus reflexos ainda são identificáveis. Há 40 anos, no dia 31 de março de 64, um punhado de militares promoveu o golpe, rasgando a Constituição e derrubando o presidente João Goulart. Foram anos difíceis, quando pelo menos 500 brasileiros desapareceram. Mas foi, também, um período rico para vários segmentos da sociedade, sobretudo no leque cultural, onde a resistência se fez através da música, do teatro e do cinema. Sem falar do movimento estudantil que se engajou nas lutas populares. Foi quando homens públicos da envergadura de um Ulysses Guimarães revelaram-se grandes líderes na luta pela redemocratização. Naquela época tínhamos nomes respeitáveis como Nara Leão, Zé Kéti, João do Vale, etc. Imagine se hoje tivéssemos de resistir com essas coisas tipo Calcinha Preta, Calypso, Cheiro de Amor, etc.

DÍVIDA

O governador Ivo Narciso ficou animado com a possibilidade de renegociar a dívida de Rondônia com a união. Esse foi um tema de destaque na reunião dos governadores do PSDB, realizada em Fortaleza. A dívida que mais sangra nosso estado é a decorrente da extinção do Beron. O governador rondoniense ficou entusiasmado com a alternativa apresentada pelo governador Marconi Perillo, de Goiás e pode seguir seu exemplo. Goiás paga ao governo federal 21% de sua receita líquida.

CURIOSIDADE

É grande a curiosidade em torno da compra de uma das maiores fazendas do Estado que, segundo consta, pertencia à Camargo Correia e agora está nas mãos de um viçoso grupo rondoniense do setor elétrico. Dizem que a propriedade mudou de mãos por algo próximo dos 25 milhões de reais. É isso ai: com que pode, não se brinca!

ACELERADA

Está acelerada a reforma da Casa da Cultura Ivan Marrocos, financiada pela Eletronorte. A reforma, segundo consta, está consumindo algo em torno de 200 mil reais. Para evitar os percalços burocráticos da licitação, a obra foi rateada entre mais de uma dezena de pequenas “empreiteiras”.

ACERTANDO

A escolha do médico José Augusto como preferido do PMDB para disputar a prefeitura de Porto Velho foi, certamente, uma atitude acertada. Embora não se possa, em política, considerar um homem com o currículo de José Guedes como morto, ta na cara que ele não ganharia essa disputa. A não ser que Porto Velho fosse escolhida para a reedição do milagre de Lázaro.

VAI ASSUMIR

Certamente o feeling político do deputado Carlão de Oliveira, presidente da Assembléia, contribuiu para uma mudança que deverá acontecer nos próximos dias. O ex-deputado coronel Abreu deverá assumir a chefia do serviço de segurança do Poder Legislativo. Ele (que já comandou a PM) tem a dose certa de sensibilidade política para cuidar do setor sem a necessidade da prática do constrangimento à “população civil” que vai à Casa do Povo.

FORA

Cláudia Carvalho, viúva do ex-deputado Sérgio Carvalho, vai ter de adiar seu desejo de figurar na relação dos candidatos que disputarão a prefeitura de Porto Velho. A cúpula nacional do seu partido não tem interesse em candidatura própria por estas bandas, preferindo participar numa aliança com o PT. Caso completamente inverso de Fortaleza, no Ceará.

BIBLIOTECA

Tem recebido elogios e reconhecimento de todos os lados a preocupação dos diretores da Faculdade São Lucas na formação da biblioteca daquela instituição. No momento o acervo já ultrapassa os 20 mil volumes. A São Lucas vai cada vez se consolidando mais como uma das melhores escolas de nível universitário da região norte.

LANÇAMENTO

Clênio Amorim, especialista em legislação eleitoral, lançou ontem, às 17 horas, no salão nobre da Assembléia Legislativa, mais um livro tratando sobre o assunto, desta vez em parceria com aquela Casa. Trata-se de livro fundamental para quem pretende participar do pleito desse ano.

DETALHES

Sem maiores explicações, Rosângela Rabel, da Assessoria do Ministério Público, informou que o Procurador, dr. Gilson, estará realizando uma audiência pública. Descobrimos que tal audiência irá acontecer no próximo dia 16, às 14 horas, no auditório do TRT. Infelizmente não se informou o assunto da tal audiência.


Nenhum comentário sobre esta coluna

Mais colunas de Gessi Taborda
Páginas: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13


Últimas Matérias
Publicidade: