Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro


 

Porto Velho,  sex,   19/julho/2019     
COLUNISTA: Gessi Taborda

Em Linhas Gerais

28/2/2004
taborda@enter-net.com.br
 
  
ADESTRAMENTO

A campanha eleitoral ganha visibilidade. A aparição de dois pré-candidatos (na verdade, candidatíssimos) fazendo campanha na TV na última sexta-feira, num programa impropriamente batizado de “Debate” (deveria ser “Entrevista”), serviu mais para realçar os vícios da imprensa domesticada e adestrada, atuando sempre na esfera da subjetividade, abdicando-se das capacidades de pensar, criticar e produzir confrontos de idéias que pudessem mostrar a vulnerabilidade dos entrevistados, do que para mostrar a diferença entre os dois pretendentes. O que se viu nesta primeira aparição programada de Mauro Nazif e Oscar Andrade na TV foi um desfile de obviedades, com ambos os personagens verbalizando posições e promessas não convincentes.

Triste, principalmente para quem é do ramo, foi perceber como nossa mass mídia está longe de cumprir com aquela máxima de que a primeira lealdade do jornalismo é com os cidadãos. As perguntas formuladas aos entrevistados foram feitas sempre para agradar aos dois políticos. Certamente os cidadãos ficaram mais céticos – e alguns até indignados com essa modalidade de entrevista-convescote. É o que acontece quando um repórter acha que pode fazer jornalismo sem correr o risco de sacrificar seus interesses materiais. O programa da TV serviu tão somente para promover o interesse privado dos dois candidatos, incompatível, portanto, com aquilo que se pode chamar de jornalismo honesto. Aliás, de há muito esses programas de entrevistas na nossa televisão vem subvertendo o princípio mais fundamental dessa nobre profissão, que é o de servir ao público, acima de tudo com independência.

TROCANDO

Quem anda perto do governador Ivo Narciso afirma que ele muda de partido antes das eleições deste ano. E de acordo com tais especulações Narciso acerta sua ida para o PMDB. Isto porque teria definido seu projeto político, retirando de seu dicionário a palavra reeleição. Certo de que em 2006 haverá nomes fortíssimos para disputar o governo e também a cadeira do senado, Ivo pretende mesmo é se candidatar a deputado federal, deixando de enfrentar os pesos-pesados que se articulam para a sua sucessão e para a disputa da vaga de Amir Lando.

POLÍTICA NOVA

As eleições desse ano, sobretudo para Rondônia e em especial para Porto Velho, não devem ser encaradas apenas como um processo de renovação das administrações municipais. São, na verdade, a peça-chave para o projeto maior, que é incluir Rondônia num novo tempo de desenvolvimento democrático, deixando o grande abismo onde se meteu. E para tirar o estado do atoleiro, é preciso afastar das áreas de poder (inclusive municipais) estes manjados políticos totalmente desprovidos de uma visão mais alta sobre o lugar que Rondônia e sua capital, Porto Velho, tem de estar, inserida nos destinos do Brasil.

Não podemos deixar que os municípios (e o estado) continuem nas mãos dessa política que vem depredando as nossas potencialidades, com suas estratégias mesquinhas e ultrapassadas para o desenvolvimento econômico e social, especialmente em regiões que precisam tornar-se pólos de crescimento, pois são os rostos que nosso estado expõe perante o país e o mundo.

É lamentável ver uma liderança como a de Mauro Nazif, ávido para chegar ao poder, não saber ainda se uma futura Guarda Municipal deve mesmo chamar “Guarda Municipal”. É lamentável ouvir uma pessoa com tanta tarimba política falar de incentivo ao turismo, de execução de obras, de construção de hospital de pronto socorro, como meios para promover o desenvolvimento, o combate ao desemprego e à violência urbana, como se estivesse anunciando a descoberta da pólvora.

É lamentável ouvir Oscar Andrade apresentar-se como quem conseguiu R$ 20 milhões para a construção de uma tal avenida Beira Rio que até hoje não saiu do papel e ainda está no plano das utopias. É desanimador ver como se processa a visão desse empresário e doublé de político, propondo solucionar o drama do desemprego com “curso de corte e costura” e atividades como “bicicletaria”. O que não pensar do choro do empresário afirmando que “a tarifa do ônibus não remunera as empresas”, para logo na frente garantir que se chegar a prefeito vai reduzi-la pela metade.

Rondônia vem sendo infelicitada por governantes politiqueiros, quando não populistas. Eles têm sido incapazes de entender que somente soluções estruturais poderão resolver, definitivamente, os problemas como desemprego, violência e saúde, hoje cruciais em quase todas as cidades. Então não há outra saída: o povo precisa colocar melhores governantes no poder, começando pelo poder municipal. Precisamos de uma classe política nova, atualizada, aberta às novas idéias e mais sintonizada com os interesses populares.

No caso de Porto Velho os cidadãos precisam se precaver com aquilo que alguns políticos chamam de esquerda. A esquerda rondoniense é tremendamente sectária e não tem vínculo com as massas desassistidas. São vinculadas a sindicatos, a interesses paroquiais. Não será dessa “esquerda” que surgirá alguém capaz de mudar essa nossa história de sucessivos fracassos. Também não será um político ligado aos mandarins e ao baronato do serviço público, mas sem a contribuição da intelectualidade, que irá mudar a situação rondoniense.

ESPECIAIS

A Assembléia Legislativa deverá realizar – pelo menos essa é a vontade do presidente Carlão de Oliveira – uma sessão especial no dia 9 de março, comemorativa ao Dia Internacional da Mulher, que acontece no dia 8, uma segunda-feira. A idéia é homenagear as personalidades femininas de destaque na vida política, empresarial, na cultura e em ações sociais e de cidadania. Iniciativa idêntica deve acontecer também na Câmara Municipal de Porto Velho, só que no dia 10, se o desejo do presidente Silvio Gualberto se materializar.

JUNTOS

Partidários de Pedro Beber, presidente da Câmara Municipal de Candeias do Jamary, trabalham no sentido de que ele marche juntamente com o grupo do prefeito Garçom na sucessão municipal daquela cidade. No momento, segundo o vereador Ceará, o pré-candidato à sucessão apoiado pelo prefeito, o Dinho, está mais bem posicionado em termos da preferência do eleitorado. Uma união de Pedro com Dinho liquida de vez as pretensões de Chico Pernambuco de retornar à prefeitura de Candeias do Jamary.

EXPLICAÇÕES

O Sintero, sindicato que representa os trabalhadores do setor de Educação, quer saber por que a Seduc deixou de aplicar quase cinco milhões de reais, dinheiro que terá de devolver ao Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação, do Ministério da Educação. Por entender que esta situação provocou prejuízos enormes para a população rondoniense, o Sintero apresentará denúncia contra o titular da Educação estadual ao Ministério Público, estadual e federal, por má gestão dos recursos.

VESTIBULAR

Dentro do PMDB o nome do deputado Confúcio Moura continua na ponta como o mais indicado para disputar o governo em 2006. Mas, na alta cúpula peemedebista é maior o número de pessoas querendo que o parlamentar passe agora pela prefeitura de Ariquemes, como um vestibular para consolida-lo como candidato a governador. Confúcio tem todas as possibilidades de vencer, com números expressivos, a disputa municipal de sua cidade. Não demonstra muito interesse nesse assunto. Se disputar e vencer governaria o município por 15 meses, saindo de lá com um alto cacife para uma disputa eleitoral pelo Executivo do estado. Se não aceitar passar por este vestibular corre o risco de ser substituído por Suely Aragão. Isto, claro, se Suely faturar a reeleição em Cacoal. Acontece que no caminho da prefeita tem uma pedra, um milionário chamado Divino Cardoso.

CRESCENDO

Enquanto não dá inicio à sua campanha como pretenso candidato a vereador, o empresário Jaime Ledo trabalha incansavelmente para aumentar seu patrimônio. Ele é o novo dono do posto de serviço com bandeira da Shell, localizado na avenida Rio Madeira, junto ao trevo de acesso ao Alphaville e Conjunto Marechal Rondon. Jaime prepara outra expansão de seus negócios na área do turismo.


Nenhum comentário sobre esta coluna

Mais colunas de Gessi Taborda
Páginas: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13


Últimas Matérias
Publicidade: