Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro


 

Porto Velho,  dom,   23/fevereiro/2020     
COLUNISTA: Gessi Taborda

Em Linhas Gerais - 18/02/2004

17/2/2004
taborda@enter-net.com.br
 
  
POR BAIXO DOS PANOS

A presença de José Genoino em Rondônia, para participar da festa de aniversário do PT prestigiando a entrada de Eurípedes Miranda Botelho no partido não rendeu, como esperava uma boa parte da opinião pública interessada em assuntos políticos, questionamentos sobre a mudança de comportamento dos barbudinhos diante das denúncias veiculadas na grande mídia do envolvimento de gente do governo com a corrupção, como o caso de Waldomiro Diniz e a cobrança de propinas para azeitar campanhas, como se revelou, de figuraças do “partidão dos trabalhadores”.

Nem Genoino, nem a senadora Fátima Cleide e muito menos o deputado Valverde tocaram no assunto. Apenas Roberto Sobrinho, o pré-candidato escolhido pelo PT para enfrentar a batalha eleitoral em torno da Prefeitura de Porto Velho, produziu algumas declarações sobre o tema, jogando a culpa do estardalhaço do caso “nas elites” que em sua opinião “tentaram e tentam” manchar a bandeira do partido. Aqui também o PT, pelo que se viu, continua achando-se escudado na carapaça da ética e dos bons costumes. E com essa fé, considera que de seus quadros sairão os estóicos que ascenderam à maioria das prefeituras rondonienses para extirpar os perigosos cancros que fazem política no Estado com claros objetivos pessoais e de grupos paroquiais em detrimento dos interesses da maioria do povo.

Roberto Sobrinho pode não ser bom de voto, mas é bom de garganta. Tem ao seu lado uma entourage tida pela companheirada como impecáveis e intocáveis. Na ótica desses, “santos” quem ao menos tentar questionar certos desatinos da “tchurma”, como a aproximação de seus próceres de indivíduos ambíguos, de picaretas que fizeram e ampliam fortunas em esquemas de drenagem do dinheiro público, entra na relação dos “inimigos” e dos “produtores de blasfêmia” que não podem ser levados a sério.

Assim, casos expostos como o de Miro Diniz e os que estão por baixo do pano (como a íntima ligação dos petistas de maior coturno com nomes envolvidos por sérias denúncias de ataque ao erário) devem ser esquecidos, deixados de lado. Se a senador esforça-se para emplacar na cúpula do TRE um nome sob sérias suspeições, não o faz por mal ou por ter abandonado princípios éticos pétreos. Ora, o PT tem fins definidos, objetivos de ampliar o máximo seu poder e, como já diziam certos stalinistas, os fins justificam os meios. Que se cuidem, portanto, os concorrentes da próxima batalha eleitoral.

Roberto Sobrinho sempre foi um militante de escol da “petuscada”. Chegou em Rondônia, como tantos, puxando a cachorrinha. Hoje possivelmente nem lembra de quando conseguiu morar numa dessas casas populares, feitas para os de baixa renda, no Quatro de Janeiro. Galgou posições, subiu rapidamente na vida e entrou no seleto grupo do baronato do serviço público. Mas não conseguiu, em nenhuma das tentativas, obter uma votação que merecesse qualquer destaque. Agora, entretanto, tudo pode ser diferente. Terá aliados de peso, atraídos por possibilidades de tirar maiores e melhores vantagens do baú da viúva.

Posto isso, podemos dizer que incidem em descuido os mal informados observadores da imprensa que se tornam prisioneiros de algumas equações lastreadas nos dados das recentes disputas eleitorais, vaticinando o candidato do PT como uma carta fora do baralho na disputa eleitoral desse ano. O que será feito por aqui será retirado da bula que levou a “petuscada” para o Planalto. O marketing político será a vara mágica que a companheirada daqui vai utilizar para manter o eleitor sob os efeitos da hipnose. Essa vinda de Genoino a Porto Velho é apenas o prenúncio da repetição da jogada ensaiada, que fez da moça do PT senadora. Embora esse não seja o desejo da grande maioria do povo, certamente a política rondoniense não mudou tanto. Continua sendo um jogo onde os mais espertos, os mais influentes, os mais ricos, os mais aquinhoados com o poder continuam com mais chances de triunfar.

JOGATINA

A Assembléia Legislativa reiniciou ontem sua rotina. Esse novo período da atual legislatura poderá ser recheado de fatos capazes de romper o marasmo político. Basta deputados, influenciados pelos acontecimentos nacionais, decidirem, por exemplo, investigar as muitas suspeitas existentes de conluio de agentes públicos com o esquema de jogatina rondoniense que permite, até agora, o tranqüilo funcionamento dos bingos, de máquinas caça-níqueis e até com o jogo do bicho. Há muito se desconfia de que a atividade serve, aqui também, como uma imensa lavanderia de dinheiro sujo.

PURA SORTE

Rondônia está cheia de homens de “sorte”. Agora mesmo afirma-se nos bastidores dos agentes econômicos daqui que finalmente Porto Velho terá seu shopping-center, graças ao empreendedorismo de personagens que se enriqueceram a partir do momento que foram exercer cargos públicos destacados. Estes personagens adquiriram por mais de R$ 3 milhões uma área privilegiada, nas imediações dos bairros Marechal Rondon e Alfaville, onde ficava as instalações e uma vila de uma grande empreiteira. É claro que a fortuna rapidamente construída por esses homens não aconteceu através de salários funcionais. Interessante: nenhum desses afortunados passou pela Lotoro. Mesmo assim, pelo visto, tornaram-se magnatas por pura sorte. Acredite quem quiser.

TRÍADE DA BELEZA

Graças ao espírito alegre do prefeito de Candeias, o Lindomar Garçom, quem for assistir o desfile das escolas de samba de Porto Velho (elas resistem, apesar de todos os esforços para se fazer de nossa capital uma sucursal do desfigurado “carnaval” baiano) ficará extasiado com a enxurrada de belezas que oxigenará o desfile da Armário Grande. Mulheres que são capazes de enfeitiçar qualquer um (como fui jurado na escolha da Rainha do Carnaval de Candeias, senti e vi de perto todo esse chamego), estarão no delírio sacolejante da escola portovelhense que, neste ano, homenageia o município de Candeias do Jamary, tem de seu samba-enredo. Todas as concorrentes que participaram do concurso para a escolha da Rainha do Carnaval de Candeias estarão desfilando em Porto Velho. Ai, então, leitor, você verá como foi difícil escolher Regiane Lima de Souza, representante do Bloco Papudinho, como a rainha desse ano. Eu, pessoalmente, acredito que Candeias está revelando uma nova geração de musas que contribuirão, é claro, para atrair para lá cada vez mais turistas, artistas, jornalistas e intelectuais.

Se Regiane causou frisson com sua beleza morena e, assim, levou o título para gáudio do Dinho (um dos fundadores do bloco Papudinhos), também não foi menor a empolgação da Ana Paula Sobreira, do bloco Cachorro Vira-Lata, que ficou na 3ª posição (para mim tinha, e tem, tudo para ser Rainha). Eu vi nela a figura mais autêntica para cair no samba como uma passista capaz de transmitir sua alegria ao público.

A 2ª colocada, Qessia Lopes, que representou a rádio AEBNH, será certamente uma bela visão para todos que forem ver o desfile das escolas. Ela mereceu a colocação ao mostrar intimidade com o samba. Uma autêntica passista, coisa um pouco rara nos dias de hoje, de Candeias que vai incendiar a passarela do samba de Porto Velho quando desfilar pela escola do coração do dr. Marco Antonio, o “boss” da Fatec.

A festa de escolha da Rainha do Carnaval de Candeias foi um sucesso. Mais uma vez o prefeito Lindomar Garçom mostrou-se dono de uma visão caleidoscópica na política, nas artes, no viver de sua cidade. Certamente fará falta ao povo do Candeias se não for substituído por alguém com sua sinceridade, criatividade e coragem para vencer os obstáculos, levando o município a uma posição de destaque no Estado.

CONJUNTIVITE

Jackeline Cassol, a bambambã do Detran, não apareceu no gabinete no princípio dessa semana. Deixou seu celular com a secretária e ficou de molho tentando livrar-se de uma séria conjuntivite. Assim que retomar a rotina deverá procurar informar-se sobre pagamentos não realizados pela veiculação de publicidade no ano passado.

VAI COMEÇAR


José Mourão, dono da rede de laboratórios Analisa, retoma após o carnaval os contatos políticos para esquematizar sua campanha como candidato a vereador pelo PT. Ontem ele reafirmava seu ponto de vista, considerando a entrada do presidente da Ceron, Eurípedes Miranda Botelho, como uma das mais importantes aquisições do partido para a consecução dos objetivos eleitorais da sigla. Mourão acaba de regressar das férias, quando aproveitou para visitar a família no Mato Grosso do Sul.

NO AR


O presidente da Assembléia Legislativa abriu ontem o novo período legislativo determinado a colocar no ar até de abril a programação da TV Assembléia que, de acordo com seu desejo, terá a qualidade das congêneres mais avançadas do país, incluindo uma programação cultural de alto nível.

Nenhum comentário sobre esta coluna

Mais colunas de Gessi Taborda
Páginas: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13


Últimas Matérias
Publicidade: