Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro


 

Porto Velho,  sáb,   19/outubro/2019     
COLUNISTA: Gessi Taborda

Em Linhas Gerais - 22/10/2003

21/10/2003
taborda@enter-net.com.br
 
  
FALTA CONCILIAÇÃO
Está difícil surgir alguém dentro do PT rondoniense para realizar um trabalho de conciliação entre os cardeais e o rebanho insatisfeito. O partido, depois de grande vitória nas eleições de 2002 sofre com a perda de tolerância e cabeça fria de sua cúpula. A intransigência do cardinalato petista de Rondônia em trocar o salto alto calçado após os resultados das urnas pelas sandálias do período da militância comprometida com as ideologias de esquerda determinou o despacho de nomes que certamente farão falta aos seus quadros. Este é, por exemplo, o caso do ex-deputado Daniel Pereira, por ter ousado ser uma voz discordante com aqueles que dão as ordens no outrora participativo PT. A situação vai ficar ainda mais delicada no partido de Odair, Fátima e Valverde em virtude da tendência dos cardeais de não realizar as costumeiras prévias para a escolha do candidato à sucessão municipal em Porto Velho.

Entre os quatro nomes inscritos para participar das prévias, alguns já estão trabalhando por sua antecipação. Querem que elas aconteçam ainda neste ano por temer manobras procrastinadoras para inviabilizar sua realização e, assim, permitir que a cúpula garanta a candidatura de seu preferido. O PT está esquecendo que vozes discordantes, num partido que preza a democracia, são necessárias, mesmo quando agem de forma tonitroante. Há entre os petistas, reclamação generalizada de que “os companheiros” que resistem a rezar na cartilha do cardinalato são tratados com estrema frieza.

PODE ACREDITAR
Será possível a uma concessionária especializada deixar de consertar um veículo por não ter em seus estoques de peças para reposição coisas prosaicas como um cabo de vela, um amortecedor ou simples miolo de chave, isso mesmo, de chave para abrir as portas do veículo? Eu descobri que sim. Mandei meu Omega à concessionária da Chevrolet, a Sabenauto, e fiquei sabendo, mais de 24 depois, que eles não podiam fazer os reparos necessários por falta de peças. Parece que a rebordosa ronda aquela que, no passado, foi uma das grandes empresas do setor de Porto Velho. Quanta decadência!

ABANDONO
É claro que o governador não sabe disso, mas acontecem coisas do balacobaco em certos setores da administração. Dia desses descobri que um veículo de propriedade do governo mofa numa oficina da cidade há anos por falta de pagamento. Quase duvidei, mas acabei conferindo. O veículo está lá, no TJ, como um verdadeiro monumento à falência da administração do patrimônio estadual. E a coisa não fica apenas por ai. Há meses a Toyota Bandeirantes, de placas BM1704 compõe, como uma escultura feita de lixo, a paisagem da rua Barbados, estacionada em frente ao número 5198 por falta, dizem, de dinheiro para o conserto. Ninguém sabe como ela veio parar ali, em frente à casa de um funcionário recentemente readmitido. Ninguém sabe, também, até quando o tal veículo continuará ali, apodrecendo debaixo de sol e chuva. Será que é este o tipo de cuidado que deve merecer o patrimônio estadual?

CONTADORES, ANOTEM
Recentemente o Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu que as empresas prestadoras de serviços estão isentas do pagamento para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins). Como até o momento ainda não foi publicada a íntegra da ementa, não está clara a abrangência da decisão. Entretanto, segundo os que acompanharam o processo, ela só se aplicaria às empresas prestadoras de serviços de profissões regulamentadas. Segundo consta algumas empresas jornalísticas de Rondônia estão pagando o Cofins por pura falta de informação de seus contadores.

GARÇOM FAZ
Graças ao apoio do deputado Everton Leoni, autor de emendas orçamentárias beneficiando projetos de Candeias do Jamary, o prefeito Lindomar Garçom anunciou ontem, em conjunto com o Secretário Municipal de Educação, Euzébio Lopes, a recuperação da quadra coberta da Escola Municipal de Ensino Fundamental Dom João Batista Costa, uma reivindicação de alunos e da comunidade do Bairro União. A quadra, totalmente recuperada, será entregue à população no princípio de 2004. Garçom tem projetos de construir, com o apoio da ação parlamentar de Leoni, quadras nas escolas Teodoro de Assunção, Jaime Barcessat e Jonatas Coelho Neiva. Isto poderá ser “os primeiros frutos da sintonia” do prefeito com a administração estadual, reforçada com a recente filiação do prefeito ao PSDB.

ANARQUIA NA GUAPORÉ

“Quem poderia pensar que na região urbana de Porto Velho, perto do cruzamento da Rua Rio de Janeiro com a Av. Guaporé... acontecesse uma invasão de terra por um movimento de SEM TERRA ou de SEM TETO... ou de ambos!. Não sei a qual dos dois pertencem! Mas chegaram organizados por uma senhora loira a bordo do seu Uno Mille.

Com celular numa mão e prancheta na outra, o movimento já completou 3 dias e começam a notar-se as marcas inconfundíveis das invasões de terra: barracas de lona, movimento de entra-e-sai constante de inúmeras pessoas e uma imensa aflição no coração de quem olha. E digo aflição nos dois sentidos: por uma parte emerge a aflição de saber que em virtude das profundas desigualdades sociais, esses movimentos multiplicam-se por todo o país reclamando aos ouvidos de um governo, com o qual mantêm identidade de luta, mas do qual têm obtido muita pouca coisa, uma saída para todos os problemas que enfrentam.

Por outra parte, aflição de quem, como é o meu caso, mora do lado da invasão e enfrenta uma realidade que era noticiada somente pelos jornais, mas nunca imaginou que fosse bater na porta de casa. Aflição pelas famílias dos necessitados invasores, muitos dos quais não parecem ser assim tão necessitados, já que chegam de carro à invasão!!

Aflição pela sensação de "estupro" moral do conceito do que é certo e do que não é, do conceito da propriedade, pela aplicação da lei do mais forte... porque nestes momentos... eles são os mais fortes.

A realidade na minha rua mudou e isso traz aflição e inquietação para nós. Quem tem razão? Essas pessoas que, tomando atitudes agressivas tentam superar a passividade do governo... ou por outra parte, nós (eu moro do lado da nova invasâo!!) que como cidadão portovelhense e brasileiro (não sou nem um nem outro de nascimento, mas de coração!) pagador anual dos IPVAS, dos ICMS, e de todos os meus "30%" de contribuições em impostos para os governos municipal, estadual e federal, nos perguntamos... quem vai FAZER ALGUMA COISA PARA SOLUCIONAR ESTE PROBLEMA??? Só esperamos que a situação tenha uma solução, para todas as partes. Não queremos que a bolinha de neve nos cubra em forma de avalanche de invasões. Talvez ninguém tenha feito nada por que ninguém sabe que esta acontecendo! Bom, estas linha são para informar isso”. Desabafo do leitor Juan Miguel, que mora vizinho da invasão.

ENTRE OS MELHORES
Silvana Davis, numa entrevista exclusiva ao colunista, mostrou que está mudada. Pra começar elogiou sem nenhuma restrição o prefeito Carlos Camurça que “está sendo um dos melhores” entre os que passou pelo paço da Capital. Em passado recente Silvana fazia oposição aberta ao prefeito. Mas depois do elogio a virtual candidata do PSL tascou: “o prefeito foi apenas precipitado em autorizar a instalação das lombadas eletrônicas para controlar a velocidade no trânsito da cidade, pois acaba se transformando numa autêntica indústria da multa e não resolve nada, pois a questão não é repressão e sim educação”.

CUIDADO INTERNAUTA
Na Internet sites muito bem imitados, dizendo-se de bancos, lojas ou fábricas de eletrodomésticos, oferecem prêmios e pedem informações de cadastro. Apague imediatamente essas ofertas: são falsas.E o objetivo é conseguir seus dados pessoais para usá-los em fraudes. Apague também as propostas daquele pessoal de nome estranho que só precisa de algum dinheiro seu para retirar uma fortuna e dividi-la com você. É fraude.

SEM REPERCUSSÃO
Praticamente não houve nenhuma repercussão em Rondônia o precipitado lançamento do nome do deputado Confúcio Moura como candidato a governador, uma eleição que só acontecerá em 2006. Na verdade o deputado federal por Ariquemes, malgrada a grande votação que costuma receber, é uma figura praticamente apagada em termos de mídia. Também, pudera, Confúcio não demonstra o menor interesse em se aproximar dos jornalistas que cobrem o setor político.

Nenhum comentário sobre esta coluna

Mais colunas de Gessi Taborda
Páginas: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13


Últimas Matérias
Publicidade: