Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro


 

Porto Velho,  qua,   17/julho/2019     
COLUNISTA: Gessi Taborda

Em Linhas Gerais - 03/10/2003

2/10/2003
taborda@enter-net.com.br
 
  
S√ď INFORME
A falta de tempo para confirmar todos informes que recebe, levou a coluna a acreditar no zunzum espalhado por um parlamentar de Ariquemes em torno do sumi√ßo de Ernandes Amorim. Fomos enredados numa trapalhada. C√īmica, se n√£o fosse tr√°gica. Embora alguns sites noticiosos (Rondoniagora.com.br) confirmasse que o ex-senador e ex-prefeito ariquemense est√° envolvido numa opera√ß√£o, sigilosa, da PF, e encontra-se ‚Äúsumido‚ÄĚ daquele munic√≠pio, n√£o existe contra o pol√≠tico nenhum mandato de pris√£o. Tudo, portanto, n√£o passou de um mero ‚Äúinforme‚ÄĚ que, como se sabe, est√° longe de ser uma ‚Äúinforma√ß√£o‚ÄĚ. Sorry, periferia!

INAPETÊNCIA
O problema da senadora F√°tima Cleide, pelo que vi em suas √ļltimas apari√ß√Ķes na tv, s√£o os trope√ßos no gigantesco ego que desassumidamente carrega. Sua manifesta√ß√£o favor√°vel √† Ministra Marina em rela√ß√£o √† MP 866, d√° a id√©ia de que ela √© uma predestinada a ser exclu√≠da da vida p√ļblica rondoniense, ap√≥s o cumprimento do mandato conseguido na esteira do lulismo do qual foi impregnada a √ļltima campanha eleitoral. N√£o poderia existir inoportunidade maior que a posi√ß√£o da douta senhora em sair por ai distribuindo cr√≠ticas panflet√°rias √†queles que lutam para defender o zoneamento s√≥cio-econ√īmico-ecol√≥gico que custou 20 milh√Ķes de d√≥lares a Rond√īnia; para agradar defensores de nebulosos interesses mascarados no discurso preservacionistas.


Aqueles interessados no fim da discrimina√ß√£o dos produtores rurais em rela√ß√£o aos cr√©ditos constitucionais, que votaram na jovem senadora, certamente sentem-se tra√≠dos. Isso acontece, tamb√©m, com os servidores p√ļblicos insatisfeitos com a posi√ß√£o assumida por dona F√°tima na vota√ß√£o da Reforma da Previd√™ncia. A gan√Ęncia pol√≠tica mal dimensionada aliada a considera√ß√Ķes pontuais mal colocadas j√° jogou areia no ventilador de muitos pol√≠ticos importantes do Estado. A precipita√ß√£o e a imprud√™ncia quando afeta o bom senso pol√≠tico, gera inimigos pol√≠ticos not√≥rios e com eles a derrocada fatal. Pol√≠tico esperto n√£o saca e nem atira em tempos de paz.

EM QUEDA
Segundo os dados do IBGE divulgados, o PIB brasileiro ficou em R$ 711 bilh√Ķes no primeiro semestre. O Pa√≠s deve ter um PIB de US$ 467 bilh√Ķes no ano. Assim o Brasil deve ser ultrapassado pela √ćndia, pela Holanda e pela Austr√°lia e cair tr√™s posi√ß√Ķes no ranking de maiores economias do mundo. Em 2003, o Pa√≠s deve fechar o ano na 15.¬™ posi√ß√£o, bem abaixo do 8¬ļ lugar conquistado em 1998. A proje√ß√£o foi feita pelo instituto de pesquisas econ√īmicas Global Invest. Dificilmente o Brasil voltar√° a ficar entre as 10 principais economias do mundo. ‚ÄúPara isso, ter√≠amos que ter taxas de crescimento em torno de 3,5% ao ano durante muitos anos seguidos. Neste ano de 2003, a economia brasileira dever√° crescer apenas 0,74%. No quadro atual, verifica-se que a renda do trabalhador caiu tanto que ele n√£o consegue mais consumir e mal consegue pagar as contas‚ÄĚ.

ULTIMO DIA
Uma correria aos diret√≥rios municipais dos v√°rios partidos √© esperada para o dia de hoje. De acordo com a legisla√ß√£o eleitoral em vigor (Lei 9.504/97), a data prevista para os candidatos definirem sua filia√ß√£o a um partido pol√≠tico √© um ano antes do pleito. Portanto hoje √© o √ļltimo dia para filia√ß√£o partid√°ria para os candidatos que v√£o disputar a vaga de prefeito um uma das cadeiras nas C√Ęmaras Municipais. Tamb√©m termina hoje o prazo para transfer√™ncia de domic√≠lio eleitoral dos que pretendem concorrer em munic√≠pios diferentes daqueles que residem hoje.

VAI DEBUTAR
O jornalista Ada√≠des Batista dos Santos, o Dada, vai viver sua primeira experi√™ncia pol√≠tico-partid√°ria. Em 2004 o Dada estar√° disputando uma cadeira na C√Ęmara Municipal, pelo PFL. Formado politicamente na milit√Ęncia do Partido Comunista Brasileiro, o velho ‚Äúpeceb√£o‚ÄĚ, Ada√≠des n√£o v√™ contradi√ß√£o em debutar, como candidato, num partido com forte liga√ß√£o com a direita. Dada hoje responde pela Assessoria de Imprensa da Assembl√©ia Legislativa. J√° desempenhou cargo similar na Unir, quando era o assessor preferido de Osmar Siena, e no Sindeprof, quando foi assessor de Aldemir Saldanha, o Pereca. √Č, certamente, um dos jornalistas mais intelectualizados de Rond√īnia. Foi um dos criadores do ‚ÄúMovimento Cabe√ßa de Negro‚ÄĚ. Al√©m de jornalista, cronista e bo√™mio, Dada √© um poeta de m√£o cheia, tendo se destacado como compositor musical, com letras recheadas da realidade regional.

FILIADO
Mesmo mostrando-se arredio a uma nova participa√ß√£o na disputa eleitoral, como candidato, o dr. Marco Antonio, o principal chairman da Fatec, filiou-se ao PMDB. Entra no partido com o respaldo de todos os cardeais peemedebistas, mas mesmo assim continua afirmando que ‚Äúdesta vez‚ÄĚ n√£o disputar√° as elei√ß√Ķes, ‚Äúembora tenha gostado‚ÄĚ da experi√™ncia quando disputou, na √ļltima elei√ß√£o, uma cadeira parlamentar. Marco Ant√īnio, uma autoridade na √°rea do ensino superior, continua sendo um dos bons quadros da pol√≠tica de Porto Velho.

AINDA BEM
A abusiva e distorcida legisla√ß√£o criada e aprovada no governo de FHC com a justificativa de proteger a imagem e a privacidade das pessoas, tem funcionado como uma aut√™ntica lei da morda√ßa contra a imprensa brasileira. Esta situa√ß√£o est√° preocupando (ainda bem!) o pr√≥prio ministro Marco Aur√©lio de Mello, do Supremo Tribunal Federal, que come√ßou a defender a elabora√ß√£o de uma nova Lei de Imprensa. O ministro est√° preocupado com o crescente n√ļmero de processos judiciais contra jornalistas e ve√≠culos de comunica√ß√£o. No momento s√≥ os cinco maiores grupos jornal√≠sticos do pa√≠s respondem a 3.192 processos buscando indeniza√ß√Ķes por danos morais e materiais. Essa verdadeira ind√ļstria da indeniza√ß√£o serve para pressionar e conter a imprensa no cumprimento de seu papel social. Trata-se de uma legisla√ß√£o t√£o draconiana que privilegia at√© reconhecidos criminosos. Em Rond√īnia a imprensa, no geral, sente-se intimidada por esta legisla√ß√£o que funciona como uma verdadeira Lei da Morda√ßa, capaz de tornar impratic√°vel o exerc√≠cio profissional dentro dos preceitos da liberdade de express√£o e informa√ß√£o. Para se ter uma id√©ia dessa situa√ß√£o, nestes nove meses de 2003 o editor de um simples seman√°rio do interior j√° est√° respondendo a nove processos gerados pela posi√ß√£o cr√≠tica de seu hebdomad√°rio. A nova Lei de Imprensa tramita h√° 10 anos no Congresso. Est√° na hora de nossos parlamentares entender a gravidade do problema e aprova-la.

DIFICIL AT√Č PARA DEUS
Diz a lenda que, certo dia, o Senhor chamou o brasileiro No√© Narciso e ordenou-lhe: "Dentro de seis meses, farei chover ininterruptamente durante 40 dias e 40 noites, at√© que todo o Brasil esteja coberto pelas √°guas. Os maus ser√£o destru√≠dos, mas quero salvar os bons e justos e um casal de cada esp√©cie animal. Vai e constr√≥i uma arca de madeira". No tempo certo, os trov√Ķes deram o sinal e os rel√Ęmpagos cruzaram o c√©u. No√© Narciso chorava, ajoelhado no quintal de sua casa, quando ouviu, novamente, a voz do Senhor, que soou furiosa, entre nuvens:

‚ÄĒ Onde est√° a arca, No√©?
‚ÄĒ Perdoe-me, Senhor -suplicou o bom homem. Fiz o que pude, mas encontrei dificuldades imensas para cumprir a tarefa que me atribu√≠stes. Primeiro, tentei obter uma licen√ßa da Prefeitura para a constru√ß√£o almejada, mas, para isso, al√©m das altas taxas para obter o alvar√°, ainda me pediram uma contribui√ß√£o para a campanha. N√£o dispondo do dinheiro, recorri aos bancos e n√£o consegui empr√©stimos, mesmo submetendo-me a taxas de juros de 13% ao m√™s.

Prosseguiu: "Depois, o Corpo de Bombeiros exigiu-me um sistema de prevenção de incêndios, que consegui contornar, subornando um funcionário. Só que, aí, começaram os problemas com o Ibama para a extração da madeira. Eu disse a eles que eram ordens Vossas, mas não houve jeito. Eles queriam saber se eu tinha um tal de "projeto de reflorestamento" e um tal de "projeto de manejo". Eu ainda tentava descobrir do que se tratava, quando o mesmo Ibama descobriu uns casais de bichos que eu estava reunindo aqui no quintal. Além de aplicar-me uma pesada multa, o fiscal ainda falou em "prisão inafiançável", e eu acabei tendo que matar o infeliz, pois para esse crime a lei é mais branda.

E Noé Narciso continuou falando ao Senhor: "Aí, tentei começar a obra. Mas apareceu o Crea e taxou-me porque eu não tinha um engenheiro naval responsável pela construção. Depois, veio o pessoal do sindicato, exigindo que eu contratasse seus marceneiros, com garantia de emprego por um ano e demais encargos trabalhistas, fiscais e previdenciários. Como se não bastasse, chegou a Receita Federal falando em "sinais exteriores de riqueza" e também me multou. Finalmente, chegou a turma da Secretaria de Meio Ambiente e pediu-me um "Relatório de Impacto Ambiental" sobre a área que seria inundada. Mostrei-lhes o mapa do Brasil. Então, decidiram internar-me num hospital psiquiátrico". Noé Narciso terminou o relato ao Senhor aos prantos. Mas notou que o céu clareava.

‚ÄĒ Senhor ‚Äď indagou ‚Äď, n√£o vais mais destruir o Brasil?

‚ÄĒ N√£o ‚Äď respondeu-lhe a voz entre as nuvens. Pelo que ouvi de ti, No√© Narciso, cheguei tarde demais. Algu√©m j√° se encarregou de fazer isso!
Devo acrescentar que essa estória me chegou pela deferência de um leitor fiel, através do e-mail. Certamente aqueles que cultuam o bom humor entenderão que é uma leitura bem digestiva para um dia pós-feriado.

Nenhum comentário sobre esta coluna

Mais colunas de Gessi Taborda
Páginas: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13


Últimas Matérias
Publicidade: