Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro


 

Porto Velho,  sáb,   19/outubro/2019     
COLUNISTA: Pedro Porfírio

Furnas: um caso de perversidade explícita

15/06/2013 14:02:33
porfirio@palanquelivre.com
 
  
Ninguém poderia supor que um funcionário com câncer aos 58 anos fosse vítima de tanta insensibilidade

Rude, com 34 anos de casa, resiste a um câncer aos 58 anos com dignidade exemplar,  mas ao invés de apoio, está sofrendo uma abominável discriminação em Furnas Centrais Elétricas, que parece mais interessada em vê-lo pelas costas. 

CLIQUE NA FOTO E VEJA A MENSAGEM DE RUDE  EM VÍDEO
Confesso que tenho dificuldade de escrever a respeito por que esse caso expõe toda a perversidade que pode acometer alguém com poder de decisão passageiro, mas que se acha no direito de ter dois pesos e duas medidas: a mesma reivindicação  que foi negada a esse profissional acabou tendo atendimento a outros com uma diferença  cruel: ele está lutando com toda a dignidade para derrotar o câncer, que já fez metástase, e os outros, mais próximos da diretoria, estão no gozo de toda a saúde do mundo.

Rudenilson Antonio Andrade Costa é antigo funcionário de Furnas e sempre esteve engajado nas lutas da categoria e da sociedade por um Brasil justo e democrático.  Cruzei com ele muitas vezes e, como todos que o conhecem, sempre admirei sua férrea coerência e sua coragem pessoal.

Ninguém poderia imaginar que essa terrível doença fosse atingi-lo num dos momentos mais pujantes de sua vida.

Mas da mesma forma que aconteceu, o mais exemplar é a dignidade com que enfrenta a doença e a sua disposição de cancelar uma adesão a um programa de demissão voluntária para que possa sentir mais forças e ter uma atividade mais viva nesse momento.

Ele tem a convicção de que será trabalhando que reunirá as condições psicológicas  necessárias para ir dando combate ao câncer que, por enquanto, parece estar contido. Mas não foi extirpado.

A direção de Furnas, tendo à frente seu presidente Flávio Decat até hoje não atendeu ao pedido de reconsideração, embora tivesse sido procurado pelo ministro do Trabalho, Manoel Dias, e pelo ex-ministro Carlos Lupi, aos quais garantiu que daria a ele o mesmo tratamento dispensado em 19 de novembro do ano passado, através da Resolução de Diretoria nº006/2677, a um grupo de funcionários na mesma situação.

Rude, como é carinhosamente chamado por seus amigos e colegas, trava agora duas lutas desiguais: contra um câncer no estômago, aos 58 anos, e contra a insensibilidade da Diretoria de Furnas. Não dar para dizer sequer qual delas é mais dramática.

Em sua luta, ele escreveu uma mensagem para um grupo de pessoas que o conhecem. Mas não ficou só aí: gravou um vídeo em frente à sede da empresa onde dedicou 34 anos de sua vida, pela qual luta como um titã.

Este vídeo é mais uma demonstração de sua admirável dignidade diante de tantas incertezas em relação à sua própria vida.

Veja o que ele postou na mensagem pela internet e comente para que possamos levar a palavra de muitos à diretoria de Furnas:

 

"Eu Rudenilson Antonio Andrade Costa, funcionário de Furnas Centrais Elétricas S/A, há quase trinta e cinco anos, matrícula 13612-1 em 19/07/2011 me inscrevi no "Programa de Bônus para Desligamento Voluntário - PBDV do Plano de Readequação de Pessoal- PREQ de Furnas Centrais Elétricas S/A". Porém em junho de 2012 descobri que estava acometido de um câncer maligno no estômago com metástase já passei por várias sessões de quimioterapia e estou lutando ferozmente para viver, reunindo todas as forças para derrotar está doença. Se eu fosse vidente ou tivesse bola de cristal e soube-se que iria ser acometido de uma doença que na América Latina mata 70% das pessoas, na Europa, 40% e nos Estados Unidos, 30%, eu não teria assinado o PREQ. Venho tentando insistentemente junto à Diretoria da empresa cancelar a minha inscrição no PREQ, porém ela se nega a ter essa atitude digna e humana e me informou que o prazo legal para desistir se encerrou em 27/02/2012, porém essa mesma Diretoria em 19/11/2012 emitiu uma RD - Resolução de Diretoria nº006/2677 permitindo que um grupo de funcionários gozando de plena saúde tenha o direito de cancelar a inscrição no PREQ. E eu, um homem indefeso com um tumor maligno no estômago que está contido, mas que pode voltar à atividade a qualquer momento, conforme afirmação do Oncologista, e nove nódulos no fígado (metástase) não posso, estou proibido. Talvez o cancelamento da minha inscrição possa afetar o índice inflacionário, aumentar a dívida pública, provocar uma queda no PIB e até gerar um aumento na tarifa de energia, sinceramente eu não consigo entender tamanha monstruosidade, a sensação que tenho é de um homem massacrado, pisado e humilhado".


Nenhum comentário sobre esta coluna

Mais colunas de Pedro Porfírio

06/03/2014 09:22:06 - Orquestrações explosivas

15/02/2014 11:55:37 - O rojão de sete cabeças

04/02/2014 15:07:58 - O pior corrupto é o de esquerda

23/12/2013 19:43:32 - Por mim e por cada um de nós

06/10/2013 22:29:16 - Tortura como espelho de uma UPP

Páginas: 1 2 3 4 5 6 7 8


Últimas Matérias
Publicidade: